UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

26/07/2010 - 07h39

Ata do Copom e PIB dos EUA são destaques da semana

SÃO PAULO - A última semana de julho tem carregada agenda de indicadores tanto em âmbito doméstico quanto externo. Por aqui, o destaque fica por conta da ata do Comitê de Política Monetária (Copom), que apresenta as justificativas para a mudança no ritmo de ajuste de alta da taxa Selic. Semana passada o BC abandonou o passo de 0,75 ponto de alta pelo meio ponto. Na agenda americana, foco na primeira preliminar sobre o desempenho do produto interno bruto americano (PIB) do segundo trimestre.

A semana começa com a pesquisa Focus do Banco Central, que traz as estimativas para as principais variáveis macroeconômicas. O BC também divulga a nota externa, com o resultado da conta corrente e do investimento externo em junho. Ainda é divulgado o saldo comercial semanal.

Na agenda americana, o Federal Reserve (Fed) de Chicago apresenta seu índice de atividade e o Fed de Dallas também apresenta seu indicador. Já o Departamento de Comércio divulga a venda de novos imóveis em junho, que devem mostrar alta de 5% depois do tombo de maio.

Na terça-feira, os investidor local conhece o IPC, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), e o INCC-M de julho, calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Também está previsto o resultado primário do governo central.

Nos EUA, a S & P Case Shiller mostra o índice de preços de moradia referente ao mês de maio. O Fed de Richmond divulga seu indicador de atividade e o Conference Board mostra o índice de confiança do consumidor em julho.

Na quarta-feira, a FGV apresenta a Sondagem da Indústria e o BC traz a nota de política fiscal, com o superávit primário e a relação dívida/PIB de junho. Nos EUA, destaque para o Livro Bege do Fed e para as encomendas por bens duráveis.

Já na quinta-feira, enquanto leem a ata do Copom, os investidores assimilam o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) de julho.

A semana e o mês acabam com destaque para o PIB americano e para o índice de confiança do consumidor da universidade de Michigan.

A agenda corporativa também é carregada. Por aqui, ao menos 20 empresas apresentam resultados, como Embratel, Pão de Açúcar, Bradesco, Vivo, Lojas Renner, Vale, Usiminas e Redecard.

(Eduardo Campos | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host