UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

04/08/2010 - 18h05

Dados de emprego são bem recebidos e Wall Street fecha em alta

SÃO PAULO - Diante de indicadores positivos nos EUA e da continuidade da melhora dos balanços das empresas, os principais índices de Wall Street fecharam com leve alta nesta quarta-feira.

O índice Dow Jones apresentou alta de 0,41%, aos 10.680 pontos. O Nasdaq, por sua vez, avançou 0,88%, aos 2.304 pontos. O S & P-500 registrou valorização de 0,61%, aos 1.127 pontos.
Os agentes receberam o resultado da geração de vagas de trabalho nos EUA. Segundo o levantamento da ADP, empresa que processa folha de pagamentos, o setor privado americano gerou 42 mil postos entre junho e julho, acima do esperado pelos analistas.

Os dados da empresa de recolocação Challenger, Gray & Christmas também foram analisados. As empresas americanas anunciaram planos de cortar 41.676 profissionais em julho, volume 6% superior ao plano de 39.358 demissões anunciado em junho deste ano. Apesar do aumento mensal, o volume é 57% inferior ao total de 97.373 cortes anunciado em julho do ano passado.

Outro fator de tranquilidade dos mercados foi o avanço, pelo sétimo mês consecutivo, da atividade do segmento de serviços dos EUA, que cresceu em julho, em ritmo mais acelerado do que o do mês anterior.

Os agentes receberam ainda o indicador dos pedidos de empréstimos imobiliários nos Estados Unidos, que apresentaram elevação de 1,3% na semana encerrada em 30 de julho, recuperando-se de uma queda de 4,4% observada na semana anterior.
Na Europa, a boa notícia ficou por conta da atividade no setor de serviços da Zona do Euro, que mostrou expansão em julho. O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) alcançou 55,8 pontos, ante os 55,5 apurados em junho. De acordo com o instituto de pesquisas Markit, este é o décimo-primeiro mês de crescimento do indicador.

No âmbito corporativo, as ações da montadora japonesa Toyota avançaram mais de 1%, depois que a empresa anunciou que, com a recuperação global das vendas, saiu do prejuízo no segundo trimestre.

(Vanessa Dezem | Valor, com agências internacionais)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host