UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

05/08/2010 - 13h46

Ritmo da economia influencia desaceleração do IGP-DI em julho

RIO - O comportamento da economia mundial e a desaceleração da economia brasileira contribuíram para a perda de força do Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) em julho, quando atingiu 0,22%, o menor resultado desde a deflação de 0,11% em dezembro do ano passado. No mês passado, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que representa 60% do IGP-DI, teve alta de 0,34%, o menor patamar desde os -0,29% de dezembro.

Para Salomão Quadros, coordenador de análises econômicas do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), a principal questão é qual será a intensidade desse efeito na inflação.

"As mudanças da economia mundial e brasileira já estão claras e provavelmente estão se refletindo nos preços. A dúvida que vejo hoje é se desaceleração econômica vai ser assunto dominante. Não dá para afirmar, mas por enquanto é uma desaceleração sem essa gravidade toda, já que indicadores mostram que a economia tem equilíbrio", diz Quadros.

Dentro do IPA, Quadros chamou a atenção para o comportamento de produtos que servem de insumo para manufaturas e têm seus preços determinados pela trajetória dos mercados internacionais.
Entre os itens citados por Quadros, destaque para o alumínio, que passou de 1,54% em junho para -1,25% em julho, enquanto a celulose passou de 4,82% para 0,76% no mesmo período. Em ambos os casos, as cotações internacionais determinaram fortes aumentos no primeiro semestre, uma vez que no ano o alumínio acumula alta de 28,14%, enquanto a celulose aponta para 32,32%.

Os alimentos in natura também contribuíram para puxar para baixo o IPA. Quadros explicou que batata inglesa, mamão e tomate, três produtos de grande peso e volatilidade, aprofundaram a deflação em julho. A batata recuou 24,58%, o mamão caiu 22,12% e o tomate teve o preço reduzido em 44,06%. Com isso, os alimentos in natura recuaram 6,46% em julho, enquanto os processados tiveram deflação de 0,30%.

"Já há mudança em relação ao que aconteceu no primeiro semestre, mas não é, necessariamente, um novo equilíbrio", frisou Quadros.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que responde por 30% do IGP-DI, manteve em julho a deflação de 0,21%. Foi a primeira vez que o índice apresenta duas quedas seguidas desde junho de 2006. Como resultado, o núcleo do IPC, que expurga as maiores variações negativas e positivas, ficou em 0,28%, o menor desde os 0,25% de novembro do ano passado. Quadros ponderou que muitos produtos, ainda em queda, apresentam aceleração em relação ao mês passado.

O açúcar refinado, por exemplo, passou de uma queda de 13,98% em junho para -3,98% no mês passado, enquanto a carne bovina manteve o patamar de alta, com 0,81% em julho, depois de subir apenas 0,07% no mês anterior.

Geralmente pouco influente no índice cheio, o Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), que tem peso de apenas 10% no IGP-DI, deu a maior contribuição para a desaceleração de julho, ao passar de uma alta de 1,09% em junho para 0,44%.

"Me chama atenção porque setor da construção não tem a ver com o mercado internacional. Tem que observar se é sintoma ou sinal de alguma desaceleração que o setor possa ter. Um dado só é pouco para afirmar que construção não esteja bombando mais", destacou Quadros.

O economista do Ibre-FGV chamou a atenção para o comportamento dos materiais e equipamentos, que passaram de 0,94% em junho para 0,43% em julho, enquanto os serviços foram de 0,71% para 0,42%.
Entre as principais desacelerações, destaque para o cimento, que passou de 0,64% e para 0,18% entre junho e julho; para o tijolo, que foi de 2,09% para 1,02%; o concreto, que desacelerou de 2,59% para 0,77%; para o aluguel de máquinas, que passou de 0,62% para 0,25%; e para os vergalhões, que foram de 2,75% para 1,24%.

"Se a economia está passando por uma desaceleração, será que está atingindo também a construção? Vale a pena procurar diagnóstico se também no setor de construção há movimento de atenuação do crescimento", acrescentou.

(Rafael Rosas | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host