UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

10/08/2010 - 14h42

Dólar segue em alta e sai a R$ 1,763

SÃO PAULO - Sem alteração de cenário, os compradores seguem pautando a formação da taxa de câmbio nesta terça-feira.
Por volta das 14h40, o dólar comercial registrava valorização de 0,62%, a R$ 1,763 na venda. Na máxima, a moeda foi a R$ 1,765.
No mercado futuro, o dólar com vencimento em setembro, negociado na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), avançava 0,68%, a R$ 1,771.

A queda de preço não é exclusividade do real, já que bolsas, commodities e outros ativos de risco também perdem valor conforme cresceu a aversão ao risco e a preocupação com o ritmo de crescimento da economia chinesa.

No câmbio externo, o euro continua caindo, mas volta a ser negociado na linha de US$ 1,31, depois de cair a US$ 1,30. Vale lembrar que na semana passada, a divisa comum europeia estava acima de US$ 1,33.

Captando esse aumento na demanda por dólar, o Dollar Index, que mede o desempenho da divisa americana ante uma cesta de moedas, avançava cerca de 0,70%, para cima dos 81 pontos.

No mercado de commodities, o barril de WTI, por exemplo, caía mais de 2%, voltando a valer menos de US$ 80 o barril.

Já nas bolsas a cautela também pauta o pregão. Em Wall Street, o Dow Jones perdia 0,98%. Já o Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) recuava 1,21%.

O gatilho para o pessimismo veio da China, que mostrou fraco crescimento das importações, o que é visto como uma indicação de menor crescimento. Tal percepção poderá ser confirmada ainda hoje, conforme saem os números sobre vendas no varejo, produção industrial, inflação e investimentos.

Os Estados Unidos também deram sua contribuição ao tom negativo. Segundo o Departamento do Comércio a produtividade do trabalhador caiu 0,9% no segundo trimestre, primeira contração desde o quarto trimestre de 2008.

Vale lembrar que a agenda americana ainda reserva a reunião do Federal Reserve (Fed), banco central americano. Atenções voltadas ao comunicado, já que parte do mercado espera que o Fed anuncie novas medidas de estímulo.

(Eduardo Campos | Valor)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host