UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

11/08/2010 - 12h34

Preocupação com EUA e China leva Ibovespa a perder os 66 mil pontos

SÃO PAULO - Um novo aumento da aversão a risco, gerado pelas preocupações com a retomada da economia americana e com a desaceleração chinesa, está dominando os mercados nesta quarta-feira.

No Brasil, o Ibovespa recua pelo quarto pregão seguido e opera abaixo dos 66 mil pontos.

Por volta das 12h30, o índice caía 1,97% e marcava 65.897 pontos. O giro financeiro negociado corresponde a R$ 2,2 bilhões.

Em Wall Street, as bolsas apresentavam perdas ainda mais expressivas. Enquanto o índice Dow Jones cedia 2,13%, o Nasdaq recuava 2,84% e o S & P 500 registrava baixa de 2,51%.

Os investidores reagem a uma série de indicadores da economia chinesa, que vieram em linha ou abaixo do esperado.

Destaque para a taxa anual de crescimento das vendas no varejo do país. Em julho, a taxa anual de expansão da atividade varejista da China foi de 17,9%, abaixo dos 18,3% vistos em junho e dos 18,5% projetados.

Já nos Estados Unidos, as declarações feitas ontem pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) continuam a repercutir sobre o mercado.

A instituição manteve os juros básicos do país na faixa entre 0% e 0,25% ao ano, conforme o esperado. O Fed, entretanto, ressaltou que o ritmo de recuperação da economia americana deve ser "mais modesto no curto prazo" que o esperado, uma vez que o passo da produção e do mercado de trabalho se desacelerou nos últimos meses.

Além disso, o Fed anunciou a decisão de reinvestir o pagamento de principal de dívida feito por agências de financiamento imobiliário em títulos do Tesouro de longo prazo.

"O que está sendo priorizado pelo mercado hoje não são apenas os dados da China, mas o comunicado do Fomc [Comitê Federal de Mercado Aberto, na sigla em inglês], que trouxe um tom negativo em relação ao desempenho econômico nos EUA. Além disso, os estímulos anunciados para se manter a liquidez no mercado não agradaram tanto, já que eram esperadas medidas adicionais. Em suma, são as condições de recuperação econômica que estão prejudicando o apetite ao risco", comentou a analista-chefe da Spinelli Corretora, Kelly Trentin.

Kelly ainda assinala que os investidores estrangeiros estão embolsando lucros, depois de seu saldo de atuação na Bovespa ter atingido o montante de R$ 3,5 bilhões em julho.

No front corporativo nacional, a queda dos preços das commodities pesa principalmente sobre o setor de siderurgia e mineração, e sobre a Petrobras.

Há pouco, os papéis PN da estatal recuavam 2,04%, a R$ 27,83, com volume negociado de R$ 236,9 milhões, enquanto as ações PNA da Vale cediam 2,36%, a R$ 42,57, com giro de R$ 379,2 milhões.

Terceiro maior giro do dia, as ações PN da Gerdau recuavam 4,07%, a R$ 24,94, com total movimentado de R$ 76 milhões.

Entre as poucas altas do Ibovespa, destaque para Brasil Ecodiesel ON (1,14%, a R$ 0,88), Lojas Renner ON (0,86%, a R$ 53,44) e JBS ON (0,49%, a R$ 8,16).

Na trajetória oposta, figuravam entre as principais baixas os papéis Fibria ON (-4,88%, a R$ 27,46), Gerdau Metalúrgica PN (-4,20%, a R$ 30,30) e CSN ON (-3,80%, a R$ 29,07).

Fora do Ibovespa, as ações ON da Estácio Participações despencavam 9,03%, cotadas a R$ 19,74.

A empresa apurou lucro líquido de R$ 5,8 milhões no segundo trimestre deste ano, uma queda de 29,3% na comparação com o resultado do mesmo trimestre do ano passado.

Além disso, a rede de ensino e dois de seus acionistas ainda revelaram que pretendem fazer uma oferta pública primária e secundária de ações ordinárias da Estácio.

Serão oferecidas 32.803.240 ações ordinárias já em poder dos vendedores. Caso haja demanda pelo lote suplementar, a Estácio emitirá até 3.280.324 papéis para serem colocados nas mesmas condições. Nesse caso, serão vendidas ao todo pouco mais de 36 milhões de ações ordinárias.

No mercado brasileiro, o fluxo estrangeiro na Bovespa está positivo em R$ 1,087 bilhão no acumulado do mês, até o dia 9, resultado de compras no valor de R$ 9,101 bilhões e de vendas de R$ 8,014 bilhões. Apenas na última segunda-feira, quando o Ibovespa recuou 0,34%, o estrangeiro colocou R$ 57,1 milhões no mercado.
No ano, o resultado da atuação do investidor internacional na bolsa brasileira está positivo em R$ 1,656 bilhão.

(Beatriz Cutait | Valor)
Hospedagem: UOL Host