UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

18/08/2010 - 17h06

Internautas pressionam presidenciáveis em debate

SÃO PAULO - Com perguntas pertinentes, os internautas tiveram uma participação significativa no debate realizado hoje com os presidenciáveis. Marina Silva (PV), por exemplo, teve que responder sobre o que achava do fato dos bancos e das empreiteiras estarem entre os maiores financiadores de campanha.

A candidata do PV, contudo, foi vaga em sua resposta e lembrou que sua campanha já conta com 400 doações feitas pela internet de pessoas físicas. "Se as doações não forem feitas por amor, devem ser feitas de acordo com a lei e a transparência", disse Marina.

Já José Serra (PSDB) aproveitou o questionamento do internauta sobre o loteamento político em cargos públicos para alfinetar o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O tucano mencionou a Funasa e os Correios como dois órgãos que foram loteados por aliados políticos. "É preciso dar um choque e um fim a esse troca-troca desgovernado", defendeu.

Dilma Rousseff (PT), por sua vez, se enrolou ao responder sobre sua posição em relação ao aborto. Primeiro, disse que era pessoalmente contra, pois não acreditava que uma mulher fosse a favor. Depois afirmou ser favorável nos procedimentos permitidos pela lei. Isto é, em caso de estupro e risco de morte para a mulher. "A lei é clara e deve ser cumprida".

A ex-ministra, no entanto, se saiu melhor quando indagada sobre o fato de ter "sobrado" como potencial candidata ao Palácio do Planalto. O internauta ressaltou que Dilma foi escolhida depois que José Dirceu e Antonio Palocci deixaram seus respectivos Ministérios envolvidos em casos de corrupção.
Embora tenha dito que não é uma política tradicional, a candidata petista enfatizou sua experiência administrativa ao listar sua biografia. Além disso, afirmou que faz parte de um governo bem avaliado. Em outra oportunidade, admitiu que o Plano Real foi uma conquista "em parte" dos tucanos.
Ao responder sobre as relações do DEM, que ocupa a vice em sua chapa, com o coronelismo, Serra rejeitou a ideia de que seja o candidata das elites e destacou sua origem humilde e o fato de ter estudado em colégio público. "Minha atuação sempre foi voltada para os setores mais pobres", frisou.

(Fernando Taquari | Valor)
Hospedagem: UOL Host