UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

19/08/2010 - 14h17

Indicadores fracos nos EUA afetam bolsas europeias

SÃO PAULO - Apesar das sinalizações de recuperação da economia europeia, as bolsas locais fecharam novamente em baixa nesta quinta-feira influenciadas por dados fracos da economia americana.

Em Londres, o FTSE 100 caiu 1,73%, para 5.211 pontos; em Paris, o CAC 40 perdeu 2,07%, aos 3.572 pontos; e o DAX, de Frankfurt, fechou aos 6.075 pontos, com recuo de 1,80%.
O Bundesbank, banco central da Alemanha, elevou sua projeção de crescimento para o país este ano, de 1,9% para 3%. Em relatório mensal, a instituição comentou que a situação econômica da Alemanha permanece favorável e que "o movimento de impulso econômico deve continuar no segundo semestre, embora ainda existam riscos dos eventos nos mercados financeiros internacionais".

O forte avanço das exportações contribuiu para o crescimento trimestral de 2,2% da economia alemã entre abril e junho. Isto deu força à expansão da zona do euro, de 1%, acima do esperado.

Os investidores também souberam hoje que as vendas do varejo no Reino Unido crescem 1,3% em julho em relação ao mesmo período do ano passado, enquanto o valor das vendas avançou 2,8% na mesma base de comparação. Na comparação mensal, a alta foi de 1,1% sobre junho.

O índice de preços ao produtor alemão subiu 3,7% em julho, no comparativo com mesmo mês do ano passado. Em junho e em maio de 2010, a taxa anual de variação acabou positiva em 1,7% e 0,9%, nesta ordem.

Mas foram os dados da economia americana que deram o tom negativo nos mercados. Os pedidos de seguro-desemprego registraram uma alta inesperada na semana passada, de 12 mil pedidos, totalizando 500 mil. O resultado contrariou o mercado, que projetava queda do número.
A atividade manufatureira da região da Filadélfia, por sua vez, apresentou debilidade em agosto, ao registrar não apenas uma queda, mas um número negativo. O indicador do Federal Reserve (Fed), o banco central dos EUA, local diminuiu para -7,7 neste mês, ante +5,1 em julho.

No campo corporativo, a fabricante de cimento suíça Holcim também decepcionou ao apresentar queda de 12% no lucro líquido do trimestre, para 399 milhões de francos suíços (US$ 383 milhões), abaixo do esperado por analistas. As ações despencaram 6,3% com a previsão dada pela companhia, de que os resultados na Europa continuarão fracos.

(Téo Takar | Valor, com agências internacionais)
Hospedagem: UOL Host