UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

19/08/2010 - 18h05

Mercado adota cautela na Bovespa, de olho nos EUA e na Petrobras

SÃO PAULO - Uma cautela generalizada dos investidores tomou conta dos mercados neste quinta-feira e levou o Ibovespa a registrar sua primeira queda em seis pregões.

Notícias negativas vindas do front americano e novas informações divulgadas sobre a Petrobras, que adicionaram incertezas ao processo de capitalização, estimularam o movimento vendedor na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

O Ibovespa teve desvalorização de 1,11%, aos 66.887 pontos. O giro financeiro atingiu R$ 5,304 bilhões.

Há em Wall Street, o índice Dow Jones teve queda de 1,39%, o Nasdaq registrou baixa de 1,66% e o S & P 500 cedeu 1,69%.

Logo cedo, o Departamento do Trabalho dos EUA revelou que os novos pedidos de seguro-desemprego subiram na última semana, contrariando a queda prevista pelo mercado.

Mais tarde, o pessimismo dos agentes ganhou força com a deterioração da atividade manufatureira da região da Filadélfia em agosto.

No front doméstico, o movimento da Petrobras esteve no foco do mercado. Além da possibilidade de adiamento da capitalização da estatal para 2011, conforme noticiou reportagem publicada hoje pelo Valor, os investidores analisaram notícias sobre o preço do barril de petróleo na cessão onerosa.

Matéria publicada hoje pelo "Estado de S. Paulo" apontou um valor entre US$ 10 e US$ 12 para o barril avaliado pela auditoria contratada pela Agência Nacional do Agência Nacional do Petróleo (ANP) para as reservas da União no pré-sal.

Embora a empresa tenha afirmado que qualquer discussão sobre o valor dos barris é mera especulação, já que os laudos das certificadoras ainda não estão prontos, os papéis reagiram com expressiva queda nesta sessão.

As ações PN da Petrobras tiveram o maior giro do dia, de R$ 712,5 milhões, e recuaram 3,25%, a R$ 26,78. Já os papéis ON da estatal perderam 364%, a R$ 30,36, com volume negociado de R$ 178,6 milhões.

"A Bovespa acompanhou o mercado externo e sua principal 'blue chip' ajudou a derrubar o índice pelas dúvidas do mercado, que esperava um preço entre US$ 5 e US$ 6 para o barril na cessão onerosa. De toda forma, tivemos um volume mais fraco movimentado. Como ainda estamos em férias [nos EUA], o mercado só deve engrenar no início de setembro", comentou o analista sênior do BB Investimentos, Hamilton Alves.

Para a gerente de análises da Lopes Filho, Leila Almeida, as notícias veiculadas nesta quinta-feira não trouxeram surpresas para o mercado.

"Estamos muito em cima para fazer a capitalização. Seria até uma imprudência do governo, da Petrobras, de realizá-la num ano eleitoral. É melhor não permitir que a sociedade faça essa leitura de atrelar a empresa às eleições", pontuou.

Em sua avaliação, um possível adiamento da oferta de ações não deverá afetar o endividamento da empresa. No segundo trimestre, entretanto, a relação do endividamento líquido e a capitalização líquida da Petrobras ficou bem próxima do limite de 35% imposto pelo Conselho de Administração.

"A capitalização visa fortalecer o patrimônio para que a Petrobras tenha recursos para fazer investimentos, mas não é um fim em si mesmo. Não será exclusivamente com ela que a companhia realizará os investimentos daqui para frente. O quadro não será alterado se a capitalização ocorrer em setembro, novembro ou no ano que vem, e trabalhamos com um cenário de que o preço do barril na cessão onerosa pode atingir até US$ 10 para ficar razoável. Ele precisa ser o melhor possível para o investidor e para a empresa", observou Leila.

Ainda entre os principais giros do dia figuraram os papéis Vale PNA (-0,85%, a R$ 43,90), com R$ 484,3 movimentados, e OGX Petróleo ON (0,80%, a R$ 20,10), com volume equivalente a R$ 197,3 milhões.

As maiores valorizações do Ibovespa partiram de Braskem PNA (4,06%, a R$ 15,11), Souza Cruz ON (2,22%, a R$ 78,1) e B2W ON (2,18%, a R$ 29,51).

No sentido oposto, além de Petrobras PN, as principais baixas do índice partiram de Embraer ON (-3,32%, a R$ 11,34), TAM PN (-3,68%, a R$ 35,31) e Brasil Ecodiesel ON (-5,31%, a R$ 0,89).

(Beatriz Cutait | Valor)
Hospedagem: UOL Host