UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

23/08/2010 - 16h37

Autorização de trabalho para estrangeiros cresce 18,85% no semestre

BRASÍLIA - O Ministério do Trabalho informou que cresceu 18,85% o número de registros formais de emprego de estrangeiros no primeiro semestre do ano, na comparação com o mesmo intervalo de 2009. Também hoje, o Banco Central (BC) informou que crescem as remessas de salários por estrangeiros que trabalham em multinacionais com filiais no Brasil.

Segundo o ministério, 22.188 mil estrangeiros pediram autorização para trabalhar no país, entre janeiro e junho de 2010, ante 18.669 em período igual do ano passado. Deste total, 20.760 são autorizações temporárias e 1.428, permanentes.

Em nota, o presidente do Conselho Nacional de Imigração, Paulo Sérgio de Almeida, busca dissociar o aumento de mão de obra estrangeira com possível falta de vagas. Segundo ele, a maioria dos registros foi para trabalho temporário, principalmente em plataformas petrolíferas.

"A vinda desses profissionais está relacionada com a implementação de investimentos, seja pela aquisição de máquinas e equipamentos importados, seja pela instalação de novas empresas estrangeiras ou pela vinda de embarcações e plataformas estrangeiras para exploração de petróleo", explicou Almeida.

De acordo com os dados, 8.244 desses estrangeiros tiveram registros com funções em embarcações ou plataformas. Cerca de 6,9 mil só ficarão no país por três meses e entre os que obtiveram autorização de trabalho permanente, 711 são executivos e 431 "investidores".

No BC, o chefe do Departamento Econômico, Altamir Lopes, chamou a atenção que entre os vários fatores a contribuir para a deterioração da conta corrente externa está o aumento nas remessas individuais de executivos estrangeiros. Na conta de transferências unilaterais do balanço de pagamentos, de janeiro a julho houve uma queda no resultado líquido, que ficou positivo em US$ 1,8 bilhão, ante US$ 1,98 bilhão em período igual de 2009.
Somente em julho de 2010 foi registrada saída de US$ 156 milhões, a mais elevada para o mês. Enquanto os ingressos geraram US$ 353 milhões, resultando em saldo líquido de US$ 197 milhões. "São despesas de remuneração de executivos de multinacionais", explicou Lopes. Da mesma forma que brasileiros residentes no Japão ou nos Estados Unidos enviam salários para o Brasil.

As transferências unilaterais se somam aos resultados de ingressos líquidos com a balança comercial menos remessas líquidas por conta de serviços e rendas para o resultado da conta corrente, a principal medida do balanço de pagamentos externo.

(Azelma Rodrigues | Valor)
Hospedagem: UOL Host