UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

23/08/2010 - 20h00

Setor de eletroeletrônicos pede ajuste fiscal para compensar câmbio

SÃO PAULO - De olho nos grandes projetos de geração energética desenvolvidos no país e pressionada pelo avanço dos produtos importados no mercado doméstico, a indústria de eletroeletrônicos está pedindo ao governo federal um pacote de medidas fiscais destinadas a melhorar a competitividade do setor.

Entre as ações propostas está o fim da isenção de imposto na importação de produtos com similares nacionais por empresas instaladas na região da Amazônia Ocidental - formada pelos Estados de Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima.

Além disso, os fabricantes querem que o governo eleve para 35% a alíquota média do imposto de importação de uma lista de 120 itens envolvendo equipamentos elétricos de uso industrial e para geração, transmissão e distribuição de energia.

As demandas estão dentro de um conjunto de medidas cujo objetivo central é compensar os impactos negativos da valorização do real. As propostas - já encaminhadas ao ministro da Fazenda, Guido Mantega - ainda incluem pleitos como o aumento de 60% para 75% no índice de nacionalização nos financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no âmbito do Finame.

"São medidas importantes para voltarmos a ter competitividade enquanto persistir essa política cambial", afirmou hoje Humberto Barbato, presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee).

De acordo com o executivo, o ministro Mantega recebeu o documento contendo os pedidos com "boa vontade", prometendo avaliar cada uma das ações propostas. "Se (ele) acolher algumas delas, já fico bastante satisfeito", disse Barbato durante entrevista coletiva à imprensa.

O movimento da Abinee tem dois objetivos claros. Por um lado, os ajustes fiscais tendem a melhorar a competitividade da indústria brasileira na disputa pelo fornecimento dos equipamentos que serão demandados em grandes empreendimentos do setor elétrico, incluindo a construção da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu.

Por outro lado, o setor enfrenta um forte avanço dos produtos importados no mercado doméstico e as medidas permitiriam à indústria nacional minimizar seu crescente déficit comercial, que, nas contas da própria Abinee, deve chegar a US$ 27,5 bilhões neste ano.

"Está na hora de se fazer alguma coisa", disse Barbato na coletiva, reclamando da perda de competitividade no cenário internacional diante de uma taxa de câmbio tida como pouco favorável às exportações, mas muito atraente para as compras externas. "Nosso produto está ficando muito caro com a valorização do real", acrescentou.

(Eduardo Laguna | Valor)
Hospedagem: UOL Host