UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

06/09/2010 - 17h12

Dólar fecha a R$ 1,727, segundo menor preço do ano

SÃO PAULO - Pelo quinto pregão consecutivo, as ordens de venda foram maioria no mercado de câmbio local. Com isso, a moeda americana fechou a segunda-feira na segundo menor cotação do ano.

Hoje, o dólar comercial registrou queda de 0,23%, para R$ 1,727 na venda. Tal preço só não é menor que o R$ 1,72 de 4 de janeiro, mínima do ano. Nesses cinco pregões, o preço da moeda americana caiu 1,87%. O giro estimado para o interbancário ficou em US$ 2,60 bilhões, volume considerado elevado, ainda mais com feriado no mercado americano. Tal giro reforça a percepção de alguma entrada relevante no período da manhã, que coincidiu com o leilão de compra do Banco Central (BC), realizado ao redor do meio-dia.

Na roda de "pronto", da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F) o dólar apontava desvalorização de 0,45%, para R$ 1,7255. O volume subiu de US$ 208,75 milhões para US$ 382,75 milhões.

Já no mercado futuro, o dólar com vencimento outubro, negociado na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), caía 0,31%, a R$ 1,7365, antes do ajuste final de posições. Na mínima, a moeda foi a R$ 1,732.

Segundo o gerente de mesa da Advanced Corretora, Reginaldo Siaca, sem referência no mercado externo o preço do dólar e de outros ativos "anda de lado", ou seja, não apresenta grande variação.

Ainda assim, o que predomina no mercado de câmbio local é a pressão de venda. Seguindo Siaca, os agentes seguem com grandes posições vendidas, contando com o fluxo futuro de dólares proveniente da oferta de ações da Petrobras e de outras empresas e bancos que estão cotando preços.

Na ponta oposta dos compradores, quem aparece são os importadores, conforme notou o gerente de câmbio da Terviso Corretora, Reginaldo Galhardo. Segundo o especialista, quem tem compromissos em dólar aproveita o moeda ao redor de R$ 1,720 para antecipar pagamentos. Tem importadores pagando faturas que venceriam apenas em outubro.

No mercado futuro, os estrangeiros seguem ampliando sua exposição ao real. No pregão de sexta-feira, a posição vendida em dólar futuro somava US$ 5,70 bilhões e a vendida em cupom cambial totalizava US$ 5,25 bilhões. Com isso, o montante total foi a US$ 10,95 bilhões.

Na ponta oposta, os bancos apresentam posição comprada total de US$ 8,27 bilhões, sendo US$ 4,26 bilhões em dólar futuro e US$ 4,01 em cupom cambial.

(Eduardo Campos | Valor)
Hospedagem: UOL Host