UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

14/09/2010 - 14h27

Bolsas europeias operam de lado, enquanto ações da Philips recuam

SÃO PAULO - As bolsas europeias fecharam próximo da estabilidade, diante de indicadores fracos no continente e da queda das ações da Philips.

Em Londres, o FTSE 100 subiu 0,03%, para 5.567 pontos; em Paris, o CAC 40 ganhou 0,19%, para 3.774 pontos; e em Frankfurt, o DAX teve leve alta de 0,22%, para 6.275 pontos.

A produção industrial ficou estável tanto na zona do euro como na União Europeia entre junho e julho. Em junho, houve queda de 0,2% na atividade fabril na região da moeda comum, mas elevação de 0,1% no bloco europeu. Ante julho de 2009, a produção industrial teve alta de 7,1% na área do euro e avançou 6,8% na União Europeia.

Entre os Estados-membros com dados disponíveis, a produção industrial subiu em 10, recuou em 10 e ficou inalterada na Alemanha e Holanda. As maiores taxas foram registradas na Estônia (5,2%), Irlanda (3,2%) e Suécia (2,6%). As quedas mais expressivas couberam à Finlândia (-3,6%), Grécia (-2,5%) e Eslovênia (-2%). Além disso, o indicador de sentimento econômico para a Alemanha do instituto ZEW veio bem pior que o esperado, ao marcar -4,3 em setembro, após os 14 um mês antes. A leitura está abaixo da média histórica do indicador de 27,2. Já nos estados Unidos, o Departamento do Comércio mostrou que as vendas no varejo subiram 0,4% em agosto, na comparação com um mês antes, e tiveram elevação de 3,6% em relação ao oitavo mês de 2009.

Os estoques das empresas americanas aumentaram 1% na passagem de junho para julho e tiveram elevação de 2,4% no comparativo com julho de 2009. O levantamento do Departamento do Comércio dos EUA mostrou ainda que a relação estoque/vendas ficou em 1,26 em julho. Um ano atrás, se encontrava em 1,35.

As ações da Philips foram destaque de baixa, com recuo de 3,8%. A empresa anunciou hoje que suas vendas comparáveis devem crescer dois pontos percentuais acima do PIB mundial nos próximos cinco anos. Analistas consideraram a projeção muito conservadora.

Na outra ponta, os papéis do Deutsche Bank voltaram a subir. Com alta de 1,5% nesta jornada, as ações ainda reagem à expectativa de que o banco fará uma oferta pública de 9,8 bilhões de euros para adquirir o Deutsche Postbank, além de reforçar sua estrutura de capital.

(Téo Takar | Valor, com agências internacionais)
Hospedagem: UOL Host