UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/10/2011 - 14h35

Bolsas europeias sobem com dados positivos da China

SÃO PAULO - As bolsas europeias fecharam em alta nesta segunda-feira, movidas por dados da economia chinesa, que ajudaram a compensar as preocupações com a crise das dívidas da região após a falta de um acordo na reunião de líderes europeus realizada no fim de semana.

Entre as principais bolsas da região, o índice FTSE 100, de Londres, subiu 1,08%, para 5.548 pontos; em Paris, o CAC 40 ganhou 1,55%, para 3.220 pontos; e em Frankfurt, o DAX avançou 1,41%, para 6.055 pontos.

Os líderes europeus adiaram de novo a decisão sobre como solucionar a crise de dívidas soberanas da região, mas prometeram que vão fazer um plano completo. Um novo encontro acontecerá até quarta-feira. Um dos temas do encontro foi a situação da Itália. Muitos temem que o país pode ser a próxima vítima da crise se não realizar rapidamente grandes cortes orçamentários.

Entre os indicadores do dia, o setor privado da zona do euro contraiu-se mais rapidamente em outubro, apontando para um risco crescente de que a região volte a enfrentar recessão. O Índice dos Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) composto para a zona do euro caiu de 49,1 em setembro para 47,2 em outubro, o menor nível desde julho de 2009. O número ainda é preliminar.

Já as encomendas à indústria da zona do euro cresceram 1,9% em agosto na comparação com julho, a primeira alta desde maio, e 6,2% frente a agosto do ano passado. Os dados de julho, por sua vez, foram revisados, passando a apontar queda de 1,6% ante junho e aumento de 8,9% na comparação com julho de 2010.

O dado que animou os investidores hoje o PMI da China, que subiu de 49,9 em setembro para o número ainda preliminar de 51,1 para outubro. É a primeira vez desde agosto que o PMI sobe de um mês para outro e a primeira desde junho em que ele fica acima da marca de 50, que indica expansão da atividade.

"Esse dado confirma nossa visão de que não há risco de pouso forçado na China", disse o economista-chefe para o HSBC no país, Hongbin Qu, em comunicado.

Destaque também para o Japão, que aprovou na sexta-feira um orçamento extra de 12,1 trilhões de ienes (US$ 158 bilhões) para a reconstrução do país após os desastres naturais ocorridos em 11 de março e um pacote separado de medidas para enfrentar a apreciação do iene.

As ações de commodities lideraram os ganhos do dia, impulsionados pelo desempenho da economia chinesa. BHP Billiton subiu 3,2% e Rio Tinto disparou 7%.

Outro destaque de alta foi TomTom. A fabricante de aparelhos de GPS disparou 21% após divulgar lucro de 28,9 milhões de euros no terceiro trimestre, bem acima da estimativa de 16 milhões de euros feita pelos analistas.

(Téo Takar | Valor, com agências internacionais)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host