PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Prejuízo com lagarta comilona chega a R$ 1 bilhão em Mato Grosso

Do UOL, em São Paulo

10/02/2014 14h45

O Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária) divulgou nesta segunda-feira (10) que os prejuízos dos produtores de soja em Mato Grosso, com a lagarta Helicoverpa armigera já chegam a R$ 1 bilhão.

"O custo adicional para conter a praga alcançou a média de R$ 118,07 por hectare até o momento atual da safra", disse o instituto em nota à imprensa.

Resistente a agrotóxicos, a lagarta Helicoverpa armigera foi identificada no país no começo de 2013. Desde então, seis Estados da federação declararam estado de emergência fitossanitária e o governo facilitou a entrada de agrotóxicos e o uso de determinados tipos de transgênicos como medida para o combate à praga no país.

Em todo o Estado de Mato Grosso, o índice médio de perdas nos campos de soja é de 3%, o que traz um aumento de 4,3% nos custos de produção para o produtor --ou R$ 85,02 a mais por hectare.

Esse percentual corresponde às três aplicações extras de agrotóxicos que são recomendadas quando a lagarta aparece. Somente esse custo adicional soma R$ 707,04 milhões.

Além dos prejuízos financeiros ao produtor, o Imea afirmou que a Helicoverpa também reduz a produtividade das lavouras.

Nesta época do ciclo, a projeção do Imea é de que 2,9 milhões de hectares já estejam colhidos.

Nessa área, considerando a ocorrência média da lagarta, a estimativa é de uma queda na produtividade de 1,6 saca por hectare. "Em outras palavras: uma perda de 278,28 mil toneladas de soja, ou R$ 224,89 milhões", informou o instituto.

Os números do Imea foram contabilizados a partir de um diagnóstico realizado pela Superintendência Federal de Agricultura em Mato Grosso (SFA/MT), em parceria com a Aprosoja. O objetivo era levantar o prejuízo causado pela Helicoverpa spp. nas lavouras de soja de Mato Grosso.

O estudo foi coordenado pelo pesquisador Wanderlei Dias Guerra, e considerou as variedades de soja super precoce e precoce, que têm ciclo de 90 a 105 dias.

Tendo como universo apenas a soja que será colhida até a metade do mês de fevereiro, em 35% da área de soja no Estado, o diagnóstico indicou uma perda média de 3% nas lavouras.

(Com Valor Econômico)