Bolsas

Câmbio

Informa��es sobre o �lbums
  • editoria:Geral
  • galeria: Veja a produ��o de t�nis na f�brica da Lindi
  • link: http://economia.uol.com.br/album/120330_Tenis_Lindi_album.jhtm
  • totalImagens: 17
  • fotoInicial: 1
  • imagePath: http://ec.i.uol.com.br/album/
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20120330174339
Fotos
Na primeira parte do processo de montagem s�o feitas as costuras do cal�ado e a palmilha � colocada ao fundo do t�nis Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
A funcion�ria costura com precis�o a palmilha no fundo do cal�ado Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
Depois de fechar o fundo do cal�ado, ele segue adiante para receber o solado Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
Em outro setor, a equipe faz a montagem do solado dos cal�ados. Do lado direito s�o as solas com gel para amortecimento de impacto e do lado esquerdo as solas sem gel, que absorvem menos impacto Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
Os dois tipos de solado seguem adiante pela esteira at� o ponto onde se encontrar�o com os t�nis Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
Os cal�ados j� costurados s�o colocados com o fundo para cima em frente �s solas. O posicionamento facilita a colagem das partes. Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
O funcion�rio marca com uma caneta especial a regi�o onde a cola deve ser aplicada. A tinta desta caneta s� � vis�vel sob a luz ultravioleta que est� na parte de cima da esteira Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
A regi�o marcada com a caneta especial fica vis�vel sob a luz ultravioleta. O cal�ado segue na esteira at� receber a cola Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
Com base nas marca��es feitas anteriormente, o funcion�rio aplica a cola na parte de baixo do cal�ado que ser� anexado � sola Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
Depois de aplicada a cola, o cal�ado passa por um forno que vai potencializar a fixa��o no solado Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
No lado direito, o cal�ado e a sola entram no forno. No lado esquerdo, eles saem e, em seguida, os funcion�rios encaixam as duas partes Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
Depois de colados, os t�nis passam por uma inspe��o, onde � dado o acabamento. Caso haja pontas de linhas ou regi�es descoladas, as pe�as s�o reparadas ou descartadas, caso n�o haja maneira de consertar o defeito sem prejudicar o produto Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
O olhar atento da funcion�ria tenta encontrar poss�veis erros na fabrica��o do cal�ado. Se estiver em perfeito estado, ele segue para o embalo Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
Antes de colocar os t�nis na caixa, � feita uma inspe��o de qualidade. O funcion�rio analisa uma porcentagem da produ��o com o intuito de observar se os cal�ados est�o realmente chegando para o embalo sem nenhum defeito Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
A rotina na f�brica de cal�ados femininos n�o para. Os profissionais transportam a todo tempo pe�as e material para manter o funcionamento da linha de produ��o Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
Os s�cios da Lindi Ronaldo Lacerda (� direita) e Ademar Silva (� esquerda) analisam as amostras dos modelos produzidos na f�brica em Nova Serrana (MG) Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais
Hoje, os empres�rios comemoram. O neg�cio, que come�ou em uma garagem, produz 5.000 pares de t�nis por dia e j� exporta 5% da produ��o para Argentina e Paraguai Rodrigo Lima/Ag.Nitro/UOL Mais

Veja a produção de tênis na fábrica da Lindi

Mais álbuns de UOL Economia x

Veja mais:

Últimos álbuns de Economia

UOL Cursos Online

Todos os cursos