Economia

Topo
  • 4 9

    REALIZAR LUCROS - É o momento em que os investidores aproveitam que uma ação teve alta recentemente e a vendem para embolsar a diferença, ou lucro. Todo investidor que possui ações só "realiza" os lucros ou as perdas no momento da venda. O professor José Carlos Luxo exemplifica: "Se o investidor havia comprado ações no valor de R$ 50 cada, e o preço dessa ação subiu para R$ 65, ao vender ele realizará um lucro de R$ 15. Na hipótese de o preço da ação cair abaixo de R$ 50, ele só terá prejuízo se vender o papel"

    Imagem: Arte/UOL
  • 5 9

    ANDAR DE LADO - Diz-se que a Bolsa "andou de lado" quando a oscilação foi pouco significativa ao longo do dia. Assim, ao avaliar um gráfico, por exemplo, há praticamente uma linha horizontal, sem altos e baixos. Normalmente, variações abaixo de 0,1% no fechamento do Ibovespa (o principal índice da Bolsa brasileira) se enquadram nesta categoria

    Imagem: Arte/UOL
  • 6 9

    ESTAR COMPRADO OU VENDIDO - É a posição que os investidores assumem de acordo com suas estratégias e expectativas em relação a uma ação. "Se um investidor acha que o preço de uma ação vai subir, ele assume uma posição comprada (ou seja, compra ações da empresa). Se o preço da ação realmente subir, ele terá lucro. Se, ao contrário, ele acredita que o preço do papel vai cair, pode assumir uma 'posição vendida', e vender as ações antes que o preço caia", explica o professor José Carlos Luxo

    Imagem: Shutterstock
  • 7 9

    BULL (TOURO) X BEAR (URSO) - Essa figura de linguagem surgiu na Bolsa de Nova York. O touro, quando ataca, joga seu adversário para cima; já o urso derruba seu oponente. Nas Bolsas de Valores, "bulls" são os investidores que compraram as ações e querem que os preços subam; já os "bears" são os que venderam as ações, pois esperam que os preços caiam. Logo, sempre existirá a briga entre o Bull/Touro (comprados) e Bear/Urso (vendidos)

    Imagem: Arte/UOL
  • 8 9

    BOLHA - Gíria usada por economistas para explicar uma alta excessiva de preços, tanto de ativos materiais (como imóveis e terrenos), como de ativos financeiros (como as ações). Essa alta de preços é rápida e contínua, motivada pela grande procura. Porém, como a demanda não se sustenta para sempre, em algum momento a oferta fica maior que a procura, e a bolha se rompe. Aí os preços caem, e provocam prejuízos para quem comprou esses ativos

    Imagem: Arte/UOL
  • 9 9

    SUPORTE E RESISTÊNCIA - Os termos são utilizados pela Análise Gráfica, uma metodologia de cálculo econômico baseada na estatística. Por meio dela, são identificados limites tanto de alta quanto de baixa dos preços das ações. Portanto, estatisticamente, é pouco provável que o preço de uma ação caia abaixo da linha de suporte, ou suba além da linha de resistência

    Imagem: Arte/UOL
  • 1 9

    O mercado está andando de lado, os investidores estão realizando lucros com as blue chips, os "bulls" estão comprados e os "bear" estão vendidos. Entendeu? Confira o significado e a origem de alguns termos curiosos usados no mercado financeiro

    Imagem: Arte/UOL
  • 2 9

    PREGÃO - É o jargão usado para definir o período do dia em que a Bolsa funciona para negociações à vista. Segundo o professor da FIA (Fundação Instituto de Administração) José Carlos Luxo, o termo vem de "apregoar", surgido na época em que as operações eram anunciadas em viva voz no ambiente central da Bolsa. A expressão continua sendo usada mesmo depois de 2005, quando o pregão viva voz deixou de existir, dando lugar ao pregão eletrônico

    Imagem: Eduardo Knapp/Folha Imagem
  • 3 9

    BLUE CHIPS - O termo é usado no mercado norte-americano há mais de um século, e é adotado também no Brasil, para se referir às empresas com as ações mais negociadas em Bolsa. Uma explicação sobre a origem do termo é o jogo de pôquer: nele, as fichas azuis (literalmente "blue chips") são as mais valiosas. As blue chips são empresas de maior liquidez, ou seja, devido ao enorme volume de negócios, é possível converter a ação em dinheiro facilmente

    Imagem: Arte/UOL