Bolsas

Câmbio

Direto da BolsaDireto da Redação

Cobertura de notícias sobre mercados, ações e investimentos no Brasil e no exterior

Brasil continua sendo país que paga juros reais mais altos

Apesar da decisão do Banco Central de baixar a taxa básica de juros (Selic) de 13,75% para 13% ao ano, o Brasil continua o país com os maiores juros reais (descontada a inflação): são 7,93%, bem à frente do segundo colocado, a Rússia (4,76%). Os juros reais descontam a inflação projetada para os próximos 12 meses (5,07%). A conta é simples: juros - inflação prevista = juros reais (13% - 5,07% = 7,93%) O país só perderia essa liderança se houvesse um corte de 4,75 pontos percentuais. Leia Mais

BC reduz juros pela 3ª vez seguida e faz maior corte em quase 5 anos

Em sua primeira reunião em 2017, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu cortar a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual, a 13% ao ano. Os juros estavam em 13,75%. É a terceira redução seguida da taxa. A decisão, tomada nesta quarta-feira (11), foi unânime. Há quase cinco anos o BC não fazia um corte como esse na Selic. A última vez em que os juros foram reduzidos em 0,75 ponto percentual foi em abril de 2012, quando caíram de 9,75% para 9% ao ano. Leia Mais

Bovespa fecha em alta de 0,5%, com Petrobras, Vale e bancos

Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou esta quarta-feira (11) em alta de 0,51%, a 62.446,26 pontos. Na véspera, a Bolsa havia subido 0,7%. Este é novamente o maior nível de fechamento desde 28 de novembro (62.855,50 pontos). A alta desta quarta-feira foi influenciada, principalmente, pelo avanço de mais de 2% nas ações da Petrobras e da mineradora Vale. A Ambev e os bancos também registraram ganhos e ajudaram o índice a subir. Essas empresas têm grande peso sobre o Ibovespa. Leia Mais

Dólar vira e fecha em queda, a R$ 3,192, após entrevista de Trump

dólar comercial fechou esta quarta-feira (11) em queda de 0,22%, cotado a R$ 3,192 na venda. Na véspera, a moeda norte-americana havia fechado praticamente estável, com leve alta de 0,06%. Com isso, o dólar volta a atingir o menor valor de fechamento desde 8 de novembro, quando terminou o dia valendo R$ 3,167. O dólar operou em alta na maior parte do dia, mas passou a cair após o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, dar sua primeira entrevista coletiva desde que venceu a disputa pela Casa branca, em novembro. Investidores temiam que Trump anunciasse medidas que pudessem acelerar inflação no país, o que não aconteceu e acabou trazendo certo alívio para o mercado. (Com ReutersLeia Mais

Maioria das Bolsas da Europa fecha em alta; Portugal perde 0,61%

A maioria das Bolsas europeias terminou o dia em alta nesta quarta-feira (11), mesmo com a queda de ações do setor farmacêutico diante das preocupações com a pressão sobre os preços do setor nos Estados Unidos, após as declarações de Donald Trump em sua primeira entrevista coletiva. Veja as variações das Bolsas:

  • Alemanha: +0,54%
  • Itália: +0,32%
  • Inglaterra: +0,21%
  • França: +0,01%
  • Espanha: -0,46%
  • Portugal: -0,61%. (Com Reuters) 
Leia Mais

Dólar opera em queda, vendido perto de R$ 3,18; Bolsa sobe

dólar comercial operava em queda a Bovespa subia nesta quarta-feira (11). Por volta das 16h25, a moeda norte-americana caía 0,52%, a R$ 3,182 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 0,36%, a 62.355,36 pontos. O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decide nesta quarta, após o fechamento dos mercados, a taxa de juros no país. Analistas esperam corte de 0,5 pontos percentual, para 13,25% ao ano. (Com Reuters)

Presidente da OGX diz que segunda reestruturação foi necessária

O diretor-presidente da OGX Petróleo e Gás, Paulo Narcélio Simões Amaral, disse nesta quarta-feira (11), em teleconferência com analistas, que houve necessidade de fazer uma segunda reestruturação da empresa depois de a companhia ter entrado em recuperação judicial, em 2013. Essa segunda reestruturação foi necessária depois que o petróleo caiu de preço no mercado internacional. Amaral disse que o campo de Tubarão Martelo é hoje a única fonte de geração de caixa da companhia de Eike Batista. (Com Valor)  Leia Mais

Dólar e Bolsa operam quase estáveis; moeda é vendida perto de R$ 3,20

dólar comercial e a Bovespa operavam quase estáveis nesta quarta-feira (11). Por volta das 15h30, a moeda norte-americana tinha leve queda de 0,08%, a R$ 3,196 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, subia 0,03%, a 62.153,19 pontos. O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decide nesta quarta, após o fechamento dos mercados, a taxa de juros no país. Analistas esperam corte de 0,5 pontos percentual, para 13,25% ao ano. (Com Reuters)

Dólar sobe, vendido acima de R$ 3,22; Bovespa opera quase estável

dólar comercial subia e a Bovespa operava quase estável nesta quarta-feira (11). Por volta das 14h20, a moeda norte-americana avançava 0,82%, a R$ 3,225 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, tinha leve queda de 0,16%, a 62.030,82 pontos. Investidores estão à espera da primeira entrevista do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, e sob expectativas de continuidade de entrada de recursos externos no país. No Brasil, o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decide nesta quarta, após o fechamento dos mercados, a taxa de juros no país. Analistas esperam corte de 0,5 pontos percentual, para 13,25% ao ano. (Com Reuters)

Petrobras cumpre política de preços sem influência do governo, diz Parente

A Petrobras está cumprindo sua nova política de preços de combustíveis, que prevê refletir as cotações internacionais e buscar margens competitivas para a companhia, afirmou nesta quarta-feira (11) o presidente da petroleira, Pedro Parente. A Petrobras surpreendeu parte do mercado ao elevar apenas o preço do diesel nas refinarias na semana passada, enquanto analistas estimaram que as cotações da gasolina estavam abaixo da paridade de importação, indicando que a empresa não teria cumprido plenamente sua regra. Mas Parente destacou que existe uma "disparidade muito grande" nas avaliações de analistas sobre os preços praticados pela empresa, e destacou que, ao realizar o reajuste na semana passada, não havia nenhuma necessidade de fazer ajuste no preço da gasolina. (Com Reuters) Leia Mais

Petrobras cumpre política de preços sem influência do governo, diz Parente - Marcello Dias/Futura Press/Estadão Conteúdo

Dólar sobe, vendido perto de R$ 3,22; Bovespa opera em queda

dólar comercial operava em alta e a Bovespa caía nesta quarta-feira (11). Por volta das 13h15, a moeda norte-americana avançava 0,78%, a R$ 3,223 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, tinha baixa de 0,7%, a 61.696,93 pontos. Investidores estão à espera da primeira entrevista do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, e sob expectativas de continuidade de entrada de recursos externos no país. No Brasil, o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decide nesta quarta, após o fechamento dos mercados, a taxa de juros no país. Analistas esperam corte de 0,5 pontos percentual, para 13,25% ao ano. (Com Reuters)

Braskem vende distribuidora de químicos por R$ 550 milhões

A petroquímica Braskem, controlada pelo grupo Odebrecht e pela Petrobras, fechou a venda de sua distribuidora de químicos, a quantiQ por R$ 550 milhões. A compradora é a guatemalteca GTM, empresa do fundo de investimentos Advent International, um dos maiores do mundo. O negócio depende da aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), órgão antitruste brasileiro. (Com Folha) Leia Mais

Dólar opera em alta, vendido perto de R$ 3,21; Bovespa passa a cair

dólar comercial operava em alta e a Bovespa passava a cair nesta quarta-feira (11). Por volta das 12h15, a moeda norte-americana avançava 0,47%, a R$ 3,214 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, tinha baixa de 0,37%, a 61.903,6 pontos. Investidores estão à espera da primeira entrevista do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, e sob expectativas de continuidade de entrada de recursos externos no país. A fala de Trump será um termômetro para o mercado, que teme a adoção de uma política econômica inflacionária e que obrigue o Fed (Federal Reserve, banco central norte-americano) a elevar ainda mais os juros nos EUA. No Brasil, o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decide nesta quarta, após o fechamento dos mercados, a taxa de juros no país. Analistas esperam corte de 0,5 pontos percentual, para 13,25% ao ano. (Com Reuters) 

Economia global vai crescer 2,7%, e Brasil, 0,5%, diz Banco Mundial

O Banco Mundial afirmou na última terça-feira (10) que o crescimento global deve acelerar levemente, já que a recuperação dos preços do petróleo e das commodities alivia as pressões sobre os mercados emergentes exportadores de matéria-prima e as dolorosas recessões no Brasil e na Rússia devem chegar ao fim. Em seu mais recente relatório de Perspectivas Econômicas Globais, o Banco Mundial disse esperar que o PIB (Produto Interno Bruto) mundial tenha em 2017 um crescimento de 2,7%, ante 2,3% no ano passado. O Banco Mundial projeta que o Brasil voltará a crescer neste ano, com uma expansão de 0,5%. (Com Reuters) Leia Mais

Dólar sobe, vendido perto de R$ 3,22; Bovespa opera em alta

dólar comercial e a Bovespa operavam em alta nesta quarta-feira (11). Por volta das 11h15, a moeda norte-americana avançava 0,62%, a R$ 3,218 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, subia 0,25%, a 62.289,14 pontos. Investidores estão à espera da primeira entrevista do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, e sob expectativas de continuidade de entrada de recursos externos no país. A fala de Trump será um termômetro para o mercado, que teme a adoção de uma política econômica inflacionária e que obrigue o Fed (Federal Reserve, banco central norte-americano) a elevar ainda mais os juros nos EUA. No Brasil, o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decide nesta quarta, após o fechamento dos mercados, a taxa de juros no país. Analistas esperam corte de 0,5 pontos percentual, para 13,25% ao ano. (Com Reuters) 

Produção industrial cai em 8 de 14 locais pesquisados pelo IBGE em novembro

A produção industrial brasileira caiu em 8 dos 14 locais pesquisados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de outubro para novembro de 2016, feitos os ajustes sazonais. Os dados constam da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional (PIM-PF Regional). Na série com ajustes sazonais, a indústria do Estado do Pará teve o melhor desempenho entre as regiões, com aumento na produção de 6,6% em novembro. Em outubro, este local mostrava recuo de 5,2% na atividade. A atividade industrial no país cresceu 0,2% no penúltimo mês de 2016, no comparativo mensal. (Com Valor) Leia Mais

Bolsa opera em alta, e dólar sobe, vendido perto de R$ 3,21

A Bolsa abriu os negócios desta quarta-feira (11) operando em alta, e o dólar comercial subia. Por volta das 10h, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, subia 0,35%, a 62.347,00 pontos. No mesmo horário, a moeda norte-americana também avançava 0,35%, a R$ 3,21 na venda. Investidores estão à espera da primeira entrevista do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, e sob expectativas de continuidade de entrada de recursos externos no país. A fala de Trump será um termômetro para o mercado, que teme a adoção de uma política econômica inflacionária e que obrigue o Federal Reserve, banco central norte-americano, a elevar ainda mais os juros nos EUA. O Banco Central mais uma vez não anunciou qualquer intervenção no câmbio, pelo menos por enquanto. Ele continua fora do mercado desde 13 de dezembro. (Com Reuters) 

BC deve acelerar corte dos juros na reunião desta quarta

O Banco Central deve acelerar o corte na taxa básica de juros do país (a Selic) nesta quarta-feira (11), na primeira reunião de 2017, apostam analistas de mercado. Nas duas últimas reuniões, o BC optou por um corte de 0,25 ponto. Numa pesquisa da agência de notícias Reuters, 38 de 42 economistas disseram esperar um corte de 0,5 ponto percentual, para 13,25% ao ano.Os outros três analistas ouvidos na pesquisa --incluindo o do maior banco privado do Brasil, Itaú Unibanco-- preveem um corte mais agressivo, de 0,75 ponto percentual, após dados recentes terem mostrado uma queda mais rápida da inflação e um crescimento mais lento da produção industrial. A decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) do BC deve ser divulgado no começo da noite, depois de uma reunião de dois dias. (Com Reuters) Leia Mais

Inflação fecha 2016 em 6,29%, dentro do teto da meta do governo

A inflação oficial no Brasil fechou 2016 em 6,29%, dentro do limite máximo da meta do governo. O objetivo era manter a alta dos preços em 4,5% ao ano, mas com tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos, ou seja, podendo oscilar de 2,5% a 6,5%. Em 2015, a alta dos preços havia sido de 10,67%, a maior desde 2002. No mês de dezembro, a alta de preços foi de 0,3%. O valor representa aceleração em relação ao mês anterior (0,18%), mas é o menor para o mês desde 2008. Os dados do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) foram divulgados nesta quarta-feira (11) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Leia Mais

Dólar abre o dia operando em queda, vendido perto de R$ 3,19; siga

O dólar comercial abriu os negócios desta quarta-feira (11) operando em queda, após fechar quase estável na véspera. Por volta das 9h08, a moeda norte-americana se recuava 0,18%, a R$ 3,193 na venda. Investidores estão à espera da primeira entrevista do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, e sob expectativas de continuidade de entrada de recursos externos no país. A fala de Trump será um termômetro para o mercado, que teme a adoção de uma política econômica inflacionária e que obrigue o Federal Reserve, banco central norte-americano, a elevar ainda mais os juros nos Estados Unidos. O Banco Central mais uma vez não anunciou qualquer intervenção no câmbio, pelo menos por enquanto. Ele continua fora do mercado desde 13 de dezembro. (Com Reuters) 

Dólar abre o dia operando em queda, vendido perto de R$ 3,19; siga - iStock

Produção de petróleo da Petrobras sobe e é recorde em dezembro

A Petrobras informou nesta quarta-feira (11) que a produção média mensal de petróleo no Brasil superou pela primeira vez a marca de 2,3 milhões de barris por dia, ficando 3% acima do recorde anterior registrado em setembro de 2016. A produção de petróleo e gás natural no Brasil, em dezembro, foi de 2,82 milhões de barris de óleo equivalente (boed), 3% maior do que a registrada em novembro de 2016 e 6% maior do que a de dezembro do ano anterior, "o que se configura também como um novo recorde mensal de produção da companhia". (Com Reuters) 

Bolsa da China fecha em queda de 0,77%; maioria das Bolsas da Ásia sobe

A Bolsa da China fechou em queda de 0,77% nesta quarta-feira (11), no segundo recuo seguido. Investidores venderam ações de empresas estatais para embolsar os lucros, após altas recentes. O índice japonês Nikkei avançou 0,33%. Veja as variações das principais Bolsas da Ásia e do Pacífico:

  • Japão: +0,33%
  • Hong Kong: +0,84%
  • China: -077%
  • Coreia do Sul: +1,47%
  • Taiwan: -0,04%
  • Cingapura: -0,17%
  • Austrália: +0,19%. (Com Reuters)
Leia Mais

Conversor de moedas

Resultado:

Câmbio

Dólar comercial - 26/04/2017 16h59
Compra Venda Variação
Dólar com. 3,1715 3,1730 +0,68%
Dólar tur. 3,0100 3,3300 +0,6%
Euro 3,4593 3,4601 +0,52%
Libra 4,0817 4,0826 +1,02%
Pesos arg. 0,2048 0,2050 +0,29%

Fonte Thompson Reuters

Veja outras cotações

Bolsas de Valores

Bovespa - 26/04/2017 17h20 - 64.861,92
Variação
Brasil | Bovespa -0,44%
EUA | Nasdaq +0.00%
França | CAC 40 +0.19%
Japão | Nikkei -0.17%

Fonte Thompson Reuters

Veja outras cotações

Ações em destaque

Ação Variação Cotação
Veja outras cotações

Commodities

Venda Variação
Petróleo (Brent) US$ 49,070 0,0%
Ouro US$ 1267,030 +0,01%
Prata US$ 17,480 -0,23%
Platina US$ 951,500 -0,08%
Paládio US$ 812,750 +0,05%

Fonte Thompson Reuters

Inflação

Índice Mês Valor
IPCA mar.17 +0,25%
IPC-Fipe mar.17 +0,14%
IGP-M mar.17 +0,01%
INPC fev.17 +0,24%

Fonte Thompson Reuters

Indicadores

Valor Atualização
Salário Mínimo R$ 937,00 2017
Global 40 +112,32% 27.Abr.2017
TR +0,08% 27.Abr.2017
CDI +11,13% 27.Abr.2017
SELIC +11,25% 12.abr.2017
IPCA +0,25% mar.17

Fonte Thompson Reuters

Últimas notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos