PUBLICIDADE
IPCA
-0,31 Abr.2020
Topo

Coluna

Carla Araújo


"Game over" e meme do caixão: como militares avaliam situação de Bolsonaro

Presidente Jair Bolsonaro e ministro da Justiça, Sergio Moro, em cerimônia no Palácio do Planalto - Reprodução
Presidente Jair Bolsonaro e ministro da Justiça, Sergio Moro, em cerimônia no Palácio do Planalto Imagem: Reprodução
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

24/04/2020 14h15

Enquanto os principais auxiliares do presidente Jair Bolsonaro conversam e tentam alinhar a fala que ele fará às 17 horas, outros militares que fazem parte do governo já demonstram a gravidade da situação.

O "meme" do caixão —vídeo de rituais fúnebres de Gana que viralizou na internet recentemente— foi repassado por uma fonte militar que despacha no Planalto para descrever a atual situação. "Brincadeiras à parte, está chata a situação, mas vamos superar", ponderou.

O mesmo "meme" também foi enviado por outras fontes militares que, apesar de não terem cargo no governo se mostravam simpáticas ao presidente anteriormente.

"Game over", disse uma fonte militar próxima a família do presidente. Na avaliação desta fonte, o agora ex-ministro da Justiça não fez em vão as acusações contra o presidente. "Moro está calçado porque nem foro ele tem", argumentou.

Havia uma cobrança para que o presidente se manifestasse o quanto antes para responder as acusações de Moro em sua despedida. A fala do presidente é aguardada na caserna com apreensão.

Para outra fonte militar, as denúncias de Moro são graves e "ficou inevitável a abertura de investigações".

Carla Araújo