PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Carla Araújo

Bolsonaro erra números ao defender reabertura de atividades

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, em foto de arquivo - Cláudio Reis/Framephoto/Estadão Conteúdo
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, em foto de arquivo Imagem: Cláudio Reis/Framephoto/Estadão Conteúdo
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

07/05/2020 20h33Atualizada em 08/05/2020 12h11

Depois de uma visita inusitada com uma comitiva de empresários ao Supremo Tribunal Federal (STF) para defender o afrouxamento de medidas de restrição por conta do coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro errou números supostamente relacionados ao impacto econômico da pandemia.

O presidente justificou a ida com empresários dizendo que estava com cerca de 45% do PIB brasileiro. No entanto, os representantes da indústria que estavam hoje com Bolsonaro movimentam cerca de 20,9% do PIB, segundo dados do IBGE. A própria Confederação Nacional da Indústria (CNI) diz que a "indústria como um todo representa 20,9% do PIB do Brasil".

A informação equivocada dada pelo presidente aconteceu depois que o empresário Marco Polo de Mello Lopes, presidente-executivo do Instituto Aço Brasil e coordenador da Coalizão Indústria, afirmou ao presidente do STF, Dias Toffoli, que estavam ali representados 45% do PIB da indústria.

Bolsonaro ouviu o número e passou a dizer que o grupo representava 45% do PIB do país. "Eu estava ali com o ministro Toffoli, para que ele ouvisse não a mim, para que o Toffoli ouvisse os empresários, como eu disse 45% do PIB tava ali", destacou o presidente.

Além disso, Bolsonaro falou que os empresários eram responsáveis por 30 milhões de empregos. Segundo a PNAD contínua do IBGE, de janeiro a março, a indústria ocupava cerca de 11,8 milhões de pessoas.

Desempregados

Segundo fontes do Ministério da Economia, Bolsonaro errou também ao falar que a pandemia já teria resultado em 10 milhões de desempregados.

Bolsonaro disse que ouviu a explicação do ministro da Economia, Paulo Guedes, mas, de acordo com auxiliares, o presidente teria entendido errado a explicação da economia. "O que foi passado para ele é que o estoque de desempregados está em torno de 12,9 milhões", disse essa fonte.

Pressão no STF

A decisão de Bolsonaro de levar empresários à Corte foi alvo de reclamações de ministros do STF.

No Palácio do Planalto, críticas a ida do presidente ao Supremo foram minimizadas. Para um auxiliar militar, a visita foi um aceno para o diálogo. "Quando ele não faz: reclamam. Quando faz: desconfiam. Está difícil o Presidente jogar nesse jogo", disse.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.