PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Coluna

Carla Araújo


Carla Araújo

"Para a Rússia, é uma excelente notícia", diz general Heleno sobre vacina

Ministro do GSI, Augusto Heleno - Adriano Machado
Ministro do GSI, Augusto Heleno Imagem: Adriano Machado
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

11/08/2020 13h36

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, afirmou que a informação divulgada hoje pelo presidente Vladimir Putin, de que a Rússia registrou oficialmente uma vacina contra o coronavírus, é uma boa notícia para eles, mas que no caso do Brasil ainda é preciso aguardar a posição oficial das autoridades sanitárias.

"Para a Rússia, é excelente notícia. Para o Brasil, temos que aguardar a posição das autoridades sanitárias brasileiras em relação à notícia", disse Heleno à coluna.

Em nota, a Anvisa informou que até o momento o laboratório russo responsável pelo desenvolvimento da vacina não apresentou nenhum pedido de autorização de protocolo de pesquisa ou de registro da vacina e que ainda não é possível "para a Agência fazer qualquer avaliação ou pronunciamento em relação a segurança e eficácia deste produto antes que tenha acesso a dados oficiais apresentados pelo laboratório".

Estados "independentes"

O ministro, que é um dos mais próximos do presidente Jair Bolsonaro e compartilha de algumas visões ideologicamente alinhadas a ele, não quis falar em ceticismo.

Mas ao ser questionado sobre sua opinião a respeito do acordo que o governo do Paraná tenta realizar com Rússia para obter a vacina, lembrou que o STF (Supremo Tribunal Federal) deu autonomia aos estados.

"O STF outorgou aos governadores e prefeitos as decisões sobre a conduta da Pandemia em seus respectivos Estados e Municípios", disse.No auge da crise entre Executivo e Judiciário, Heleno foi uma das vozes mais fortes contra a atuação da Suprema Corte.

Na época, quando houve a consulta à PGR sobre a possibilidade de apreensão do celular do presidente, Heleno divulgou uma nota dura em que falou de "consequências imprevisíveis".

Agora, apesar de a crise entre os poderes estar em uma fase mais branda, o presidente ainda mantém alguns atritos com o STF e hoje divulgou um vídeo em que o comentarista diz que "tiraram os poderes do chefe da nação" e que a "vontade do presidente" de fazer o isolamento vertical foi ignorada pelo STF.

Possibilidade de guerra de vacinas

Indagado se via a possibilidade de uma "guerra de vacinas" a exemplo do que tem acontecido com as diferentes correntes e versões em relação aos remédios e tratamentos do coronavírus, o ministro desconversou e preferiu elogiar a gestão do interino, o também general Eduardo Pazuello, sem citá-lo nominalmente.

"O Governo Federal tem feito um excelente trabalho de apoio logístico e repassado aos responsáveis os recursos necessários para que esse apoio aconteça da melhor maneira possível".

Interino sem prazo

Se fosse manter a sua intenção inicial, Pazuello ficaria na pasta até este mês de agosto. Há tempos o ministro tem sido pressionado por militares da ativa e também da reserva para deixar a farda caso continue no governo.

Pazuello tem dito que não tem a intenção de antecipar a aposentadoria e tem ganhado elogios públicos do presidente recentemente, o que o mantém com força no cargo.

Na semana passada, foi ao lado do atual ministro da saúde que o presidente lembrou que o Brasil chegaria a marca de 100 mil mortos e afirmou: "A gente lamenta todas as mortes, vamos chegar a 100 mil, mas vamos tocar a vida e se safar desse problema".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Carla Araújo