PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Carla Araújo

Guedes terá reunião com executivos da chinesa Huawei para discutir 5G

17.nov.2020 - O presidente Jair Bolsonaro ao lado dos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Paulo Guedes (Economia) urante reunião da XII Cúpula de Líderes do BRICS - Marcos Corrêa/PR
17.nov.2020 - O presidente Jair Bolsonaro ao lado dos ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Paulo Guedes (Economia) urante reunião da XII Cúpula de Líderes do BRICS Imagem: Marcos Corrêa/PR
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

19/11/2020 20h23Atualizada em 20/11/2020 12h38

O presidente Jair Bolsonaro já disse que a decisão sobre o 5G será dele e deu sinais de que tenderia a dar mais espaço às empresas norte-americanas. Apesar disso, com a derrota - cada vez mais incontestável de Donald Trump para Joe Biden - o governo amplia as conversas para diminuir as resistências em relação à empresa chinesa Huawei.

Nesta sexta-feira (20), o ministro da Economia, Paulo Guedes, realizará um videoconferência com o vice-presidente da empresa chinesa, Guo Yi; com o diretor sênior de relações governamentais, Atilio Rulli; com o vice-presidente de public affairs e relações governamentais, Mark Xueman, e com a assessora da Huawei, Lilia Zhuli.

A avaliação feita por membros do governo e do ministério da Economia é que o Brasil precisa abrir as negociações com todas as nações sem restrição ideológica na busca de uma alternativa "segura, barata e que atenda aos anseios do país".

Além disso, salientam que os acenos feitos por Bolsonaro a Trump devem ser renegociados com a chegada de Biden à presidência dos Estados Unidos.

Desconfiança

Auxiliares do presidente que despacham no Palácio do Planalto afirmam que a decisão precisa levar em conta o reforço de segurança de dados e já que o sistema chinês possui um "sombra de desconfiança", nas palavras de um auxiliar.

"Possivelmente se optarmos pela tecnologia chinesa será algo mais barato, mas teremos que reforçar a questão de segurança", diz um auxiliar direto de Bolsonaro.

Por pressões norte-americanas, o Reino Unido anunciou a remoção de todos os equipamentos 5G já instalados da Huawei nesta década.

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI) já elaborou uma instrução normativa que contém alguns requisitos mínimos para embasar o leilão de 5G, previsto para o ano que vem. Alguns ministérios e a Anatel, porém, ainda estão em fase de algumas avaliações internas a respeito da tecnologia.