PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Guedes pede que Câmara desista de ouvi-lo sobre offshore, mas comissão nega

Paulo Guedes fala em cerimônia no Palácio do Planalto para lançamento do Programa Nacional de Crescimento Verde - Isac Nóbrega/PR
Paulo Guedes fala em cerimônia no Palácio do Planalto para lançamento do Programa Nacional de Crescimento Verde Imagem: Isac Nóbrega/PR
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

12/11/2021 18h41Atualizada em 12/11/2021 18h53

Em um ofício enviado nesta sexta-feira (12) ao presidente da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara, deputado Afonso Motta, o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu para que a oitiva sobre suas contas em offshore seja substituída pela apreciação de documentos que o ministro enviou à Comissão.

"Venho pedir a compreensão e gentileza para que sejam acolhidas como suficientes as informações prestadas por intermédio dos documentos apresentados, no dia 9 de novembro de 2021, a essa Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público", escreveu o ministro da Economia, alegando também conflitos de agenda.

Guedes já não compareceu à sessão conjunta das comissões de Fiscalização Financeira e de Trabalho da Câmara que estava agendada para a última quarta-feira (10).

Enquanto a Comissão de Fiscalização Financeira sinalizou que aceitaria analisar a documentação, a Comissão do Trabalho remarcou para o dia 16 o depoimento do ministro.

O deputado federal Paulo Ramos (PDT), um dos autores do novo requerimento de convocação, chegou a afirmar que Guedes poderia responder por crime de responsabilidade caso falte mais uma vez à oitiva.

Os advogados de Guedes enviaram aos deputados os mesmos documentos que foram apresentados à PGR e a Comissão de Ética Pública, em que o ministro afirma que não há irregularidades em ter mantido contas no exterior.

Para dispensar também o depoimento do dia 16, o ministro afirmou que estará em agenda com o presidente Jair Bolsonaro em Dubai e só retorna ao Brasil no dia 18.

Já em resposta ao documento enviado por Guedes, no início da noite desta sexta-feira, o presidente da Comissão de Trabalho, deputado Afonso Motta, negou o pedido de que só a documentação pode ser suficiente e remarcou o depoimento do ministro para o próximo dia 23.

Governo quer "caso esquecido"

O governo articula com aliados no Congresso para que o assunto seja "esquecido" pelos parlamentares. A avaliação que está sendo feita é de que o ministro já havia apresentado voluntariamente documentos que mostram que não há irregularidade e que, neste momento, existem "coisas mais importantes para o Brasil".

Além disso, argumentam que as convocações de Guedes aconteceram em meio a uma crise política, que acabou culminando com a aprovação da PEC dos Precatórios na Câmara, depois que Guedes autorizou a manobra para furar o teto de gastos.

No Congresso, fontes da base aliada ouvidas pela coluna disseram que o clima está mais ameno em relação ao ministro e que os depoimentos agora não teriam outra justificativa se não criar mais fatos políticos e atrapalhar o andamento das pautas econômicas.

PUBLICIDADE