PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Carlos Juliano Barros

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

A Microsoft adverte: home office pode levar a "esgotamento digital"

Pesquisa com dados da Microsoft mostra que, dos 30 mil entrevistados em home office, 54% se sentem sobrecarregados e 39% se dizem exaustos. - Getty Images
Pesquisa com dados da Microsoft mostra que, dos 30 mil entrevistados em home office, 54% se sentem sobrecarregados e 39% se dizem exaustos. Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Carlos Juliano Barros

Carlos Juliano Barros, 38 anos, é jornalista e mestre em Geografia pela USP. Há anos vem se dedicando à cobertura de temas relacionados ao mundo do trabalho. Nessa área, já dirigiu quatro documentários de longa e média-metragem, selecionados para importantes festivais dentro e fora do país. O mais recente deles, "GIG - A Uberização do Trabalho" (2019), produzido pela Repórter Brasil e exibido pela Globo News e pelo Canal Brasil, foi finalista na categoria imagem do Prêmio Gabriel García Márquez. Também é criador, roteirista e apresentador do podcast "Trabalheira/Rádio Batente", eleito pelo Spotify um dos destaques de 2020. Já colaborou para diversas publicações, como BBC Brasil, Folha de S. Paulo, Rolling Stone e The Guardian. Um dos fundadores da Repórter Brasil, recebeu o Prêmio Vladimir Herzog de Anistias e Direitos Humanos em duas oportunidades e foi finalista do Prêmio Esso de Jornalismo.

22/06/2021 04h00

Na semana passada, um comentário polêmico de James Gorman, presidente do banco Morgan Stanley, apimentou um debate cada vez mais quente em Wall Street, o coração do sistema financeiro dos Estados Unidos: será que o home office está com os dias contados?

"Se você pode ir a um restaurante em Nova York, você pode vir para o escritório", provocou o executivo em uma conferência com investidores.

Nos países em que a pandemia vem dando trégua com o avanço da vacinação em massa, o que infelizmente ainda não se aplica ao Brasil, o alívio pela retomada da vida normal vem colidindo com a possível volta ao trabalho presencial em escritórios.

É claro que essa é uma inquietação reservada a uma pequena parcela de profissionais que ainda pode ficar em casa para driblar o coronavírus. Por aqui, menos de 10% dos 86 milhões de brasileiros com alguma ocupação conseguiram fazer home office na pandemia.

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a maior parte desse contingente no Brasil é formada por pessoas brancas (65%), com ensino superior (76%) e carteira assinada ou contrato de trabalho garantido (84%).

Mas mesmo quem ainda consegue se manter em home office e gosta dessa alternativa - seja para ficar mais perto da família, seja para não perder tempo no trânsito - precisa colocar em perspectiva se trabalhar de casa é sempre sinônimo de qualidade de vida.

Dados do Work Trend Index 2021, publicação recente sobre tendências do mercado de trabalho alimentada com informações do LinkedIn e dos programas do pacote Microsoft 365, mostram que desde o início da pandemia "a sobrecarga digital é real e crescente".

De acordo com o estudo, que ouviu mais de 30 mil pessoas em 31 países diferentes, "um em cada cinco entrevistados da pesquisa global disse que seu empregador não se preocupa com o equilíbrio entre vida pessoal e profissional. 54% se sentem sobrecarregados. 39% se sentem exaustos".

O futuro do trabalho é híbrido

Ao longo da pandemia, choveram análises sobre o que será do trabalho no pós-covid. As previsões foram tão variadas quanto contraditórias. Houve quem sentenciasse o fechamento de escritórios depois que empresas importantes decidiram pelo trabalho remoto permanente - no Brasil, o caso mais conhecido é o da corretora XP Investimentos.

Houve quem entendesse o home office como uma onda que passaria com o fim da pandemia. Isso porque algumas companhias vêm colocando em xeque a ideia de que o trabalho à distância não interfere na produtividade e, por essa razão, têm traçado planos para reintegrar funcionários à sede física, assim que o contexto sanitário permitir.

Mas o Work Trend Index aposta em um modelo híbrido para o futuro: uns vão trabalhar em casa, outros no escritório. Há ainda aqueles que poderão combinar as duas possibilidades. Segundo a pesquisa, 70% das pessoas ouvidas querem que a opção do trabalho remoto continue valendo quando a pandemia ficar para trás.

Até aí, a conclusão não chega a ser uma surpresa. O que a pesquisa revela de mais interessante, na verdade, são os dados que compõem uma radiografia da intensificação do trabalho em home office na pandemia.

Overdose digital

Desde que o coronavírus varreu o planeta, em fevereiro do ano passado, o tempo total gasto no Microsoft Teams - software muito utilizado por empresas do mundo todo para reuniões de equipe - mais do que dobrou. A duração das conferências também cresceu: a média passou de 35 para 45 minutos.

É claro que, com a substituição da rotina presencial pela virtual, essas estatísticas tendem mesmo a ganhar volume. Só que o estudo traz outras constatações que apontam para uma preocupante intensificação do trabalho. "O usuário médio do Teams está enviando 45% mais chats por semana e 42% mais chats por pessoa após o expediente", diz o Work Trend Index.

E, ainda segundo a pesquisa, "o número de e-mails entregues a clientes comerciais e educacionais em fevereiro, em comparação com o mesmo mês do ano passado, aumentou em 40,6 bilhões".

Os dados da Microsoft comprovam o que muitos analistas têm percebido desde o início da pandemia: o borramento da fronteira entre casa e trabalho, agravado pela sensação de estar permanentemente conectado e à disposição, vem produzindo um verdadeiro "esgotamento digital", na definição do Work Trend Index.

O grande problema é que esse esgotamento inevitavelmente transborda da esfera virtual para a vida real. Na prática, significa aumento de ansiedade e estresse. É justamente por isso que a publicação também traz recomendações a empresários, como "reduzir a carga de trabalho dos funcionários" e "criar uma cultura onde as pausas são incentivadas e respeitadas".

Ao que tudo indica, o verdadeiro desafio pós-covid não é saber se as pessoas vão continuar trabalhando de casa. O que realmente importa é garantir que o home office proporcione a tão alardeada qualidade de vida.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL