PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Cleveland Prates

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Putin é psicopata que quer recriar URSS ou tenta camuflar crise econômica?

Conteúdo exclusivo para assinantes
Cleveland Prates

Economista especializado em regulação, defesa da concorrência e áreas correlatas. Atualmente é sócio-diretor da Microanalysis Consultoria Econômica, coordenador do curso de regulação da Fipe e professor de economia da FGV-Law/SP. Foi Conselheiro do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e secretário-adjunto da Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda.

04/03/2022 04h00

Desde a última semana, o mundo está assistindo incrédulo ao que na melhor das hipóteses já se transformou em um Segunda Guerra Fria. Entretanto, a invasão criminosa na Ucrânia pelas tropas de Vladimir Putin era algo previsível.

Tenho lido algumas análises que apontam os EUA e Europa como principais culpados por essa agressão desmedida. Na visão dessas pessoas, o fato de a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) ter-se expandido para países do leste europeu, rompendo um suposto acordo que nunca existiu formalmente, seria a real motivação de Putin decidir fazer o que fez.

Confesso que tenho muita dificuldade em aceitar essa explicação por vários motivos. Em primeiro lugar, porque conforme esclarece a própria Otan, com a confirmação inclusive de Mikhail Gorbachev, essa questão nunca foi tratada em qualquer acordo.

Em segundo, porque todo o processo de adesão começa com um pedido formal do país interessado em fazer parte do grupo. E se países como Polônia, Romênia, Eslováquia, dentre outros, fizeram isso de livre e espontânea vontade, foi por entenderem que haveria um risco real de que a Rússia algum dia quisesse retomar o domínio sobre essas nações.

A própria invasão na Ucrânia mostra que ela e os demais países que procuraram a Otan estavam provavelmente corretos em suas análises. Aliás, neste aspecto, pergunto aos que culpam EUA e Europa, onde fica o direito de autodeterminação dos países escrito no Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, adotado pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1966?

Em terceiro, e mais importante, é o fato de que a Otan nunca demonstrou qualquer intenção de invadir o território russo pela simples razão de que seus países-membros sempre souberam que gerariam uma terceira guerra mundial com proporções catastróficas, dado o arsenal nuclear da Rússia. Qualquer um que tenha estudado o mínimo de Teoria dos Jogos sabe que um arsenal desse tipo é suficiente para dissuadir qualquer invasão ao país detentor desse armamento.

Não bastasse tudo isso, os investimentos na Otan estavam se reduzindo nos últimos anos e, principalmente, a Europa, vinha tentando uma aproximação e mais diálogo com Moscou para evitar novos conflitos, apesar do histórico de Putin. Um bom exemplo é o próprio gasoduto ligando a Rússia à Alemanha.

Diante desse cenário, encontro apenas duas explicações (não necessariamente excludentes) para a invasão na Ucrânia. A primeira, no próprio Vladimir Putin, que tantos chamam de estrategista. Apesar de não descartar tal qualificação, gostaria de lembrar que psicopatas também são estrategistas e, na maioria das vezes, muitíssimo inteligentes.

Vale lembrar que um psicopata, de maneira geral, é um sujeito frio, que não sente remorso ou culpa por ter praticado atos cruéis, sendo totalmente inflexível, quando entende que alguém merece algum tipo de punição. Ademais, tende a ser narcisista, manipulador e egocêntrico.

Quem conhece um pouco da história de Putin sabe que ele demonstra constantemente todos esses "predicados", com o agravante de ser megalomaníaco. Claro que sem um diagnóstico clínico não teremos essa certeza, mas dos cinco psiquiatras que consultei antes de escrever este artigo, todos me disseram que ele seria um fortíssimo candidato.

Assim, eu não descartaria sua intenção de aos poucos recriar a antiga União Soviética caso não seja dado um basta para suas atitudes que envolvem uma "racionalidade própria", que o Ocidente demorou a entender. E vale lembrar que isso não necessariamente levará a uma guerra nuclear, uma vez que a maioria dos psicopatas também tem instinto de autopreservação.

A segunda explicação é de ordem político-econômica. Putin construiu seu Estado autoritário baseado em dois vetores. O primeiro deles, em uma plutocracia corruptora e em um staff de governo corrupto. Aliás, uma observação do Índice de Percepção da Corrupção 2021 da Transparência Internacional mostra que, em um ranking de 140, a Rússia é um dos 4 países mais corruptos.

Já o segundo vetor está calcado na combinação de populismo, censura e repressão interna a toda e qualquer oposição. Só que isso tem um limite. Afinal, como diria a frase atribuída ao marqueteiro da campanha de Bill Clinton em 1991, "é a economia, estúpido!".

E a economia russa já não vinha bem havia um certo tempo, ao menos desde 2013. Coincidentemente, a invasão da Crimeia foi no início de 2014. Ninguém sabe ao certo o que se passa na cabeça de Putin mas se ele resolveu arrumar mais um confronto para tirar o foco dos problemas internos e recuperar sua popularidade, escolheu a pior forma e o pior de todos os países.

A Ucrânia vem resistindo e ganhando apoio da maior parte da comunidade internacional. Mesmo a China, uma "aliada sem limites", não tem visto essa invasão com bons olhos pelo estrago que pode causar a todo o mundo. Aliás, os próprios russos, que já estavam divididos sobre a ideia da invasão, têm manifestado seu inconformismo, apesar de toda repressão interna.

Fato é que a escolha agora para o Ocidente não é sobre qual a melhor opção, mas sim sobre o que seria a "menos pior", inclusive no longo prazo. Ceder mais uma vez aos "mimos" de Putin ou manter e até ampliar as sanções econômicas impostas, mesmo com o ônus que possam gerar para toda a economia mundial?

Em que pese a resposta não ser simples e não resolver o problema imediato da Ucrânia, se olharmos para o passado e para as perspectivas futuras, voltar a negociar com o Putin implica empurrar o problema com a barriga e até torná-lo pior no futuro. Putin não é e nunca será confiável.