PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Descomplique

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Pequeno investidor pode cair numa cilada em casos como o GameStop

Julia Sumerling/National Geographic Creative
Imagem: Julia Sumerling/National Geographic Creative
Júlia Mendonça

Júlia Mendonça é formada em comércio exterior pela Universidade Positivo. Atuou como planejadora financeira entre 2015 e 2018. Especialista em orientação e planejamento financeiro pessoal, é coach e consultora de finanças, pós-graduada em investimentos, finanças e banking. É influenciadora digital no nicho de finanças e investimentos em um dos maiores canais do assunto na área do Brasil.

09/02/2021 04h00

Revoltas, guerras e conflitos são resultados do confronto de um grupo que tem ideias e crenças totalmente contrárias a outro grupo ou organização e assim o embate acontece, para ver quem ganha mais espaço e tem a razão.

É exatamente isto que vem ocorrendo nas últimas semanas: uma grande revolução no mercado financeiro. Os sardinhas (pequenos investidores) orquestraram um dos movimentos mais intensos e curiosos da história da Bolsa. Diversos investidores reuniram-se por meio de um fórum de investimentos e manipularam o preço das ações da GameStop na Bolsa norte-americana.

O movimento

Isso resultou em um aumento de 20 vezes o preço da ação em duas semanas. Muita gente ganhou dinheiro com esse movimento e as notícias do papel fizeram com que muitos investidores no Brasil quisessem repetir o efeito com ações nacionais.

A ação escolhida foi a da IRB Brasil (IRBR3). Foram criados grupos no Facebook, canais no Telegram com a intenção de forçar o papel a subir. Em um primeiro momento a atuação dos investidores surtiu efeito (a cotação passou de R$ 6,50 para R$ 7,50 em um dia), porém nos dias que se sucederam a ação voltou a cair e o movimento perdeu a força.

Efeito Manada

Esses dois acontecimentos não são novidade no mercado financeiro e até têm um nome: efeito manada, que ocorre quando um ativo apresenta valorização ou potencial de valorização alta no curto prazo e atrai muita gente em busca de lucro certo.

No caso das duas ações mencionadas o movimento foi impulsionado pela tentativa de fazer um short squeeze nas ações, operação que tenta contrariar o mercado que acredita que o preço dos papéis vai diminuir nos próximos meses.

Cuidado com as dicas

O pequeno investidor que tenta seguir esses movimentos muitas vezes perde dinheiro. Ele tenta entrar quando o movimento perde a força e deixa a grande valorização para trás. Por isso é importante ficar atento aos sinais de que o efeito manada esteja acontecendo para fugir dele.

O primeiro sinal para ficar atento são as notícias na mídia. Quando o investimento começa a ser capa de revista ou de matérias sensacionalistas é um sinal grave de que o ativo está no seu preço máximo e que o preço pode cair no curto prazo.

Criptomoedas

Se você começa a escutar pessoas que nunca investiram ou nunca tiveram interesse em investimentos falando sobre um ativo em específico, tome muito cuidado. Isso aconteceu alguns anos atrás com o Bitcoin. Algumas pessoas chegaram a pegar empréstimos para comprar a criptomoeda no final de 2017 para ver o preço dela cair mais de 50% em 2018.

Quem comprou seguindo a euforia do momento vendeu com prejuízo. Hoje o Bitcoin já superou o preço mais alto da época e quem investiu com calma e tranquilidade conseguiu um bom lucro novamente.

Estude

Nunca invista em ativos que você não conhece ou sobre os quais não estudou, principalmente se tratando de renda variável. A chance de perder dinheiro fazendo isso é enorme. O desconhecimento traz muita insegurança, qualquer volatilidade no mercado vai abalar sua vida e existe uma grande possibilidade de você vender no prejuízo.

A lição mais importante nessa história é: cuidado com a euforia, cuidado com a ganância em querer ganhar muito no curto prazo. Foque em investimentos que você conhece e evite seguir a onda do momento.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL