PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Descomplique

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Como terminar 2022 mais rico? 4 coisas simples para você fazer de verdade

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto
Conteúdo exclusivo para assinantes
Júlia Mendonça

Júlia Mendonça é formada em comércio exterior pela Universidade Positivo. Atuou como planejadora financeira entre 2015 e 2018. Especialista em orientação e planejamento financeiro pessoal, é coach e consultora de finanças, pós-graduada em investimentos, finanças e banking. É influenciadora digital no nicho de finanças e investimentos em um dos maiores canais do assunto na área do Brasil.

01/01/2022 04h00

Sempre que o ano muda, criamos várias expectativas, metas e sonhos. Sem sombra de dúvida, uma das metas mais desejadas durante a virada de ano é ter mais dinheiro, é ficar mais rico.

Não é uma meta fácil e a maioria das pessoas que estabelece esse objetivo infelizmente desiste depois de um tempo. Isso acontece na maior parte das vezes, pois não seguimos um método ou fazemos sem orientação de uma pessoa mais experiente.

Felizmente, com algumas dicas é possível tornar todo esse processo muito mais tranquilo e sustentável no longo prazo. Separei as quatro mais efetivas e que vão ajudar você a ter muito mais dinheiro em 2022 e fazer com que termine o ano mais rico.

1. Economizar não é cortar

A primeira coisa que vem à cabeça quando pensamos em cuidar do dinheiro é cortar gastos, principalmente o lazer. Essa é a maneira mais eficiente de traumatizar qualquer pessoa que queira se educar financeiramente.

Economizar dinheiro tem muito mais a ver com fazer escolhas inteligentes do que simplesmente cortar gastos das áreas de que mais gostamos em nossa vida. Por isso, a prioridade sobre os ajustes do nosso orçamento deve começar nas contas fixas, aquelas que temos todos os meses como luz, água, telefone, dívidas.

Esse tipo de gasto tem pouco impacto em nosso dia a dia, porém qualquer redução feita nele perdura por vários meses. Gosto de falar que ninguém fica mais triste porque trocou o plano de celular, apagou a luz ao sair de um cômodo ou mudou de marca de sabão em pó. Somente depois de diminuir esses gastos vale a pena cortar o lazer.

2. Pequenos passos

Tenha paciência quando começar a implementar as mudanças e evite criar planos muito grandes, principalmente se essa é a primeira vez que tenta cuidar das finanças. Por exemplo, se você ganha R$ 5.000 por mês, pode criar a meta de economizar R$ 500 mensalmente.

Nos primeiros meses pode ser pesado poupar os R$ 500 se você ainda não tem habilidade ou experiência em cuidar das finanças. Vale a pena criar a meta de economizar R$ 100 no primeiro mês, R$ 200 no segundo e assim sucessivamente, até que você tenha a habilidade e experiência para conseguir seguir esse plano sem grandes dificuldades.

3. Seja esperto com as dívidas

Se você tem dívidas, algumas dicas podem ajudá-lo a se livrar delas mais facilmente. A primeira delas é procurar um feirão de negociação. Nesses eventos, é possível conseguir um grande desconto em relação ao custo atual da sua dívida, porém existem algumas pegadinhas.

A primeira delas é que somente quem está inadimplente consegue negociar as dívidas nesses feirões. Ou seja, se você é um bom pagador, infelizmente não vai conseguir negociar a sua dívida. A segunda pegadinha é que esses feirões não têm data marcada, ou seja, é impossível prever quando você poderá limpar seu nome com ajuda deles. É preciso ficar atento a meios como internet, rádio e TV para descobrir quando eles acontecem.

4. Renda extra

Se você tiver dívidas ou não, comece a fazer renda extra, que é sempre uma boa ideia. Existem milhares de alternativas para quem deseja ganhar dinheiro além do seu trabalho convencional.

Aqui no blog Descomplique já compartilhei diversas dicas para quem deseja começar nessa área, além de vários métodos para quem quer começar a cuidar melhor do dinheiro e investir. Vale a pena dar uma pesquisada e acelerar sua jornada financeira.

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL