PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Coluna

Econoweek


Como encontrar ações boas pagadoras de dividendos usando o Dividend Yield?

César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

26/06/2020 04h00

Como você sabe se uma ação é uma boa pagadora de dividendos e se é uma boa oportunidade de investimentos? Se você compra uma empresa, provavelmente quer saber em quanto tempo ela vai dar retorno suficiente para cobrir o valor que gastou para comprá-la.

Com ações é a mesma coisa!

Eu sou César Esperandio, economista do Econoweek, a tradução da economia e dos investimentos, e vou te apresentar um indicador que você vai olhar para te ajudar a chegar a essa conclusão. É o Dividend Yield!

O termo é em inglês e pode assustar, mas fica comigo que eu vou traduzir isso para você!

Para resumir, se você está com pressa para descobrir o dividend yield é só pegar o volume de dividendo por ação pago nos últimos 12 meses e dividir pelo preço da ação.

Se der 10% e se mantiver assim nos próximos dez anos, significa que vai ter seu dinheiro de volta (o que você investiu na compra da ação) em dez anos com essa bonificação paga periodicamente. Isso sem contar na possibilidade de vender a ação por um preço maior do que comprou.

Mas será que, apesar de simples, você deveria saber só isso sobre o dividend yield?

Eu acho que você pode saber bem mais para tomar uma decisão de investimentos muito melhor!

Antes de saber o que é dividend yield, você deve saber o que é dividend (ou dividendo, em português).

O que são dividendos?

Dividendos são o volume de dinheiro que uma empresa distribuiu aos seus acionistas. Simples assim.

Isso vale tanto para ações como para fundos imobiliários. Nos fundos de investimentos de ações, por exemplo, as ações também geram dividendos, mas eles não cairão direto em sua conta. Os próprios fundos receberão e reinvestirão esses dividendos, aumentando o valor da sua cota.

Na verdade, o dividend yield também leva em conta, além do pagamento de dividendos, o pagamento de juros sobre capital próprio. Mas, na prática, é tudo distribuição de resultados da empresa que vai cair na conta do acionista. A diferença é que enquanto o dividendo é livre de Imposto de Renda, no juro sobre capital próprio é cobrada uma taxa de 15%.

O que é Dividend Yield?

Dividend Yield, que também pode ser visto pela abreviação DY, é uma conta simples que mostra o tanto de dinheiro que uma empresa distribuiu aos seus acionistas nos últimos 12 meses em relação ao preço da ação no momento.

Enquanto o valor patrimonial por ação representa o tamanho do patrimônio total da empresa que pertence ao dono de uma ação, o DY mostra o quanto o dono de uma ação recebe da repartição de lucros em forma de dividendos, entre todos os acionistas, comparado ao preço de sua ação.

Vou ser repetitivo, mas a conta é bem simples: é só somar quantos Reais foram distribuídos aos acionistas (o valor pago por ação) nos últimos 12 meses e dividir pelo preço da ação. No vídeo acima ilustramos a fórmula e o cálculo.

Dessa maneira, se uma empresa distribuiu R$ 5,00 de dividendos por ação nos últimos 12 meses e sua ação vale R$ 100, seu DY é de 5%.

Lembrando que ao investir em uma ação, você está comprando um pedacinho de uma empresa (uma pequena participação na sociedade). E, se nunca mais vender essa ação, obviamente vai querer saber em quanto tempo terá seu dinheiro investido de volta com os lucros que essa empresa vai gerar.

É justamente o DY que pode dar essa perspectiva. Afinal, se a empresa costuma ter, em média, um DY de 5% ao ano como no exemplo acima, caso isso permaneça assim, é esperado que tenha o retorno do capital investido em vinte anos. Isso sem contar a valorização da sua ação. Caso tenha escolhido uma empresa bem gerida e com bom potencial de crescimento, os preços das ações devem subir, dando a possibilidade de ter ganhos com sua venda e recuperar o dinheiro investido mais rapidamente.

Como analisar o Dividend Yield?

Agora que você entendeu o que é o Dividend Yield, como analisá-lo?

Se o preço da ação cai, mas os dividendos se mantêm, o DY sobe, o que pode sugerir uma boa oportunidade de compra.

Se o preço da ação sobe, mas os dividendos se mantêm, o DY cai, o que pode indicar que não é uma boa oportunidade de compra.

Mas será que é só isso mesmo?

Quando DY alto pode ser mau sinal - 1?

O DY não pode ser analisado apenas por seu número final. Temos que saber sobre a qualidade dos dividendos pagos nos últimos 12 meses.

Se, por exemplo, a empresa teve uma receita não recorrente, como a venda de uma parte da empresa ou qualquer outra coisa que não deve se repetir no futuro, os dividendos tenderão a cair daí em diante, interferindo na quantidade de dinheiro pago em dividendos aos acionistas e, portanto, no DY.

Vamos a um exemplo! Vamos supor que você queira comprar uma ação de uma empresa de picolés. É muito mais interessante que a distribuição de dividendos venha da divisão dos lucros obtidos com a receita da venda de picolés, que é recorrente (ou seja, que acontece sempre) do que venha do lucro da venda de um terreno que a empresa tinha e que, mesmo que tenha dado muito lucro, não vai acontecer de novo.

Afinal, o foco da empresa é ganhar dinheiro vendendo picolés, e não vendendo terrenos, que foi uma receita não recorrente.

Se você quer encontrar uma ação boa pagadora de dividendos, deve ficar de olho nas receitas recorrentes da empresa.

Empresas que pagam dividendos de maneira recorrente e consistente provavelmente estão dando um sinal de que as condições financeiras da empresa são boas. E a chance de isso continuar assim é maior do que as empresas que são um "sobe e desce" de pagamentos de dividendos.

Quando DY alto pode ser mau sinal - 2?

Empresas que não têm mais para onde crescer podem pagar DYs altos, já que acabam distribuindo os lucros por não ter onde reinvestir o dinheiro que entra em busca de expansão dos negócios.

Por outro lado, não ter mais para onde crescer também pode ser um problema, já que pode indicar que o crescimento da geração de receitas está comprometido no futuro.

Como você pode ver, nem sempre um DY alto é um bom sinal.

Do lado oposto do ringue, as empresas que têm um DY baixo podem ser aquelas que têm grande potencial de crescimento e, em vez de distribuírem os lucros em forma de dividendos aos seus acionistas, estão reinvestindo na expansão dos negócios da empresa.

Potencialmente, isso pode gerar mais receitas no futuro, com boas expectativas do crescimento da distribuição de dividendos.

Como você pode ver, nem sempre um DY baixo é um mau sinal.

Mas nada disso é regra e cada ação deve ser analisada caso a caso.

Quando DY alto pode ser mau sinal - 3?

Outra situação possível é que empresas problemáticas podem aumentar a distribuição de dividendos de repente para agradar seus acionistas, que ficam muito satisfeitos e não olham com tanto cuidado para a saúde financeira e governança da empresa.

Há casos em que a empresa se endividou ou se alavancou, tirando dinheiro de onde não tinha para fazer essa distribuição.

Então, fique de olho nisso!

Como encontrar ações boas pagadoras de dividendos?

Se você está procurando por ações de empresas que tem um bom e consistente DY, deve entender o que geram bons yields.

Em português, se você está de olho em empresas boas pagadoras de dividendos, que distribuem lucros aos seus acionistas de maneira consistente e, mais importante, que devem continuar pagando ainda mais dividendos no futuro, você deve entender o que gera essa distribuição.

Foque em empresas sérias, com histórico de pagamentos de dividendos consistentes, preferencialmente que sejam crescentes, e que tenham boa capacidade de gerar receita sem se endividarem em um nível não saudável, ao mesmo tempo que possam continuar expandindo seus negócios.

Dicas bônus

1. Ao calcular o DY, sempre olhe a distribuição de dividendos de períodos anteriores para verificar se estão acima ou abaixo no normal.

2. Sempre olhe o DY junto com outros indicadores fundamentalistas. Eu já ensinei como analisar outro indicador chamado preço por valor patrimonial, que gerou muita repercussão porque a conta também é simples o resultado sempre gira em torno de 1. Se for acima de 1, a ação pode estar cara. Se o resultado estiver abaixo de 1, pode estar barata.

3. Se quiser comparar os DYs de diferentes ações, lembre-se de olhar também para o lucro total da empresa, principalmente comparando com empresas do mesmo setor. Afinal, os lucros nem sempre são totalmente distribuídos por diferentes razões, e é dessa geração de lucro que você começa a ter uma noção da sustentabilidade da distribuição futura de dividendos.

Além disso, empresas de setores diferentes têm características diferentes e isso deve ser levado em conta na comparação.

4. Você pode fazer o que quiser com seu dinheiro. Afinal, ele é seu. Mas eu recomendo que, se você não precisa desse dinheiro para viver, reinvista seus dividendos, seja na mesma ação ou na ação de outra empresa. Dessa maneira, você fará o dinheiro trabalhar dobrado para você.

Onde consultar o Dividend Yield?

Se você não quer fazer essas contas, há sites que já fazem a conta para você.

Eu uso bastante o site da Fundamentus e da Suno Analítica, que já mostram o dividend yield, e vários outros indicadores fundamentalistas de investimentos em ações para você fazer sua decisão de investimento.

Se você olhar nesses dois sites, vai perceber que não vai encontrar nenhuma informação do dividend yield das ações da Oi, justamente porque, no momento dessa gravação, ela está dando prejuízo e não há nada de lucro para distribuir aos acionistas.

Mas se você procurar a mesma informação para as ações da Itaúsa, vai encontrar um DY bem maior, justamente porque é uma empresa considerada muito mais saudável e que tem distribuído bons dividendos aos acionistas.

Mudando de assunto

No vídeo que explicamos porque o rendimento dos CDBs estão subindo enquanto a Selic está caindo, o Emerson quis saber se ainda vale a pena deixar o dinheiro investido no Tesouro Selic já que está rendendo muito pouco.

Depende do seu objetivo, Emerson!

O Tesouro Selic é muito seguro, não é volátil como as ações e você pode sacar o dinheiro a qualquer momento, o que o torna ideal para a sua reserva de segurança, que não tem por objetivo ter rendimentos extraordinários, mas sim, como o nome diz, te dar a segurança de que tem aquele dinheiro rendendo um pouquinho para usar em qualquer emergência ou sempre que precisar.

Agora, se você já tem uma reserva de segurança gordinha, é melhor buscar rendimentos mais atraentes em títulos de renda fixa que não permitem o saque a qualquer momento, pois eles tendem a ter um retorno melhor.

Já no vídeo que eu explico a Regra 50-30-20, de como passar de devedor a investidor, o Tiago de Jesus perguntou se nos 20% desse método entram tanto a parte dos investimentos como das parcelas de empréstimos e financiamentos, já que ele acha muito pouco.

Sim, Tiagão! O método diz para entrar tudo isso nesses 20%. Mas também diz que não precisa ser rígido e você pode adaptar a regra para o seu gosto.

Por exemplo, é possível inverter de 50-30-20 para 50-20-30, reservando 30% para a responsabilidade de investimentos e dívidas.

Mas, o ideal é tentar se livrar de todos créditos tomados, que têm juros, e direcionar toda essa parcela para investimentos. Mas, devagarzinho vamos chegar lá!

Você já conhecia o dividend yield? Conte nos comentários ou fale com a gente no nosso canal do YouTube, Instagram e LinkedIn. Também é possível ouvir nossos podcasts no Spotify. A gente sempre compartilha muito conhecimento sobre economia, finanças e investimentos. Afinal, o conhecimento é sempre uma saída!

Econoweek