PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Econoweek

Selic na mínima e Bitcoin na máxima. Vale a pena investir?

César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

10/12/2020 04h00

Enquanto a Selic está no menor nível da história, em 2% ao ano, e muita gente ainda não superou o susto das ações na Bolsa durante a fase mais crítica da crise do coronavirus, o Bitcoin nunca valeu tanto!

Hoje, um Bitcoin vale pouco mais de US$ 18 mil, equivalente a quase R$ 100 mil.

Quem comprou essa criptomoeda há alguns anos, viu seu investimento crescer mais de 30 vezes.

Para falar sobre isso, conversamos com Rudá Pellini no vídeo acima, autor do livro O futuro do dinheiro e especialista em criptoativos.

Afinal, o que devemos saber antes de investir em Bitcoin?

Volatilidade

Em primeiro lugar, uma característica dos investimentos em criptomoedas é a sua instabilidade. Por ser uma moeda digital e um ativo novo no mercado, há bastante especulação (mais do que a maioria das moedas tradicionais), de modo que o sobe e desce é bastante acentuado.

Aliás, diferentemente do investimento em ações, por exemplo, não há um "fechamento do mercado" à noite ou aos finais de semana. De modo que as oscilações não param.

Se você não tem estômago para isso, pense duas vezes antes de investir em criptoativos.

Exposição ao dólar

A principal paridade com o Bitcoin e outras moedas digitais é o dólar. Dessa maneira, como em qualquer investimento no exterior, além do risco inerente ao ativo, também há o risco de exposição cambial.

Como sabemos, o dólar ficou bem caro para o brasileiro nos últimos meses e tem apresentado queda recentemente.Se o seu objetivo é usar o dinheiro investido em um prazo relativamente curto, saiba que isso pode jogar contra (ou a favor) da sua rentabilidade, sendo mais um fator de risco a ser levado em consideração.

Segurança cibernética

Com a forte valorização das moedas digitais, tendo como principal expoente o Bitcoin, esse tipo de investimento ficou muito mais pop. Com isso, ataques de hackers se tornaram muito mais frequentes.

Por definição, esse tipo de ativo não conta com um órgão regulador central, que trabalhe para trazer mais segurança ao mercado aliada à regulação.

Dessa maneira, fique atento a sites suspeitos e siga todas as recomendações que o Rudá Pellini deu no vídeo acima.

Dinheiro rápido e fácil

Apesar da forte valorização do Bitcoin e de algumas histórias de novos milionários, essa é uma classe de ativos que se assemelha a todas as outras quanto à máxima "não existe dinheiro fácil".

Por isso, ao se deparar com promessas de sites e influenciadores garantindo altos retornos, rápidos, fáceis e sem risco, saiba que estão mentindo.

Nessas condições, as chances de você ser a próxima vítima de uma fraude ou pirâmide financeira é enorme. Não caia nessa!

Comece aos poucos

Mesmo assim, as criptomoedas ditam uma nova tendência no mundo dos investimentos e é possível fazer esse investimento de maneira segura.

Para começar a investir, sempre recomendamos começar com pouco dinheiro para testar novas plataformas e estratégias de investimentos. Isso garantirá sua segurança e suas noites de sono.

Como investir?

Quer começar a investir em Bitcoins e saber mais sobre o mercado de criptoativos, vale a pena dar o play no vídeo acima, em uma conversa entre os economistas do Econoweek e o especialista em Bitcoin Rudá Pellini.

Você já investiu em Bitcoin? Conte nos comentários ou fale com a gente pelo nosso canal do YouTube e Instagram.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.