PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Econoweek

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

5 ferramentas que todo investidor deveria conhecer

Conteúdo exclusivo para assinantes
Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone é economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

29/06/2021 04h00

Você fez a lição de casa e juntou dinheiro, mas na hora de começar a investir trava. São muitos nomes e opções que mais confundem do que solucionam suas dúvidas.

No entanto, da mesma maneira que o mercado financeiro evoluiu e passou a apresentar diversas alternativas de investimento ao pequeno investidor, também oferece ferramentas que o ajudam a escolher a aplicação.

No vídeo acima, selecionamos cinco dessas soluções que todo investidor deveria conhecer. Tem desde o mais básico da renda fixa até o mais avançado envolvendo ações.

Comparador de renda fixa

Na renda fixa, as siglas das diversas aplicações se transformam em uma verdadeira sopa de letrinhas: CDB, LCI, CRI, CRA, LCA, LC, só para citar algumas opções.

A primeira ferramenta, o aplicativo Renda Fixa, faz uma comparação entre as diversas alternativas. Basta a pessoa preencher quanto ela irá investir. O resultado sempre mostra a comparação com a caderneta de poupança, permitindo que a pessoa compare a rentabilidade.

Similar a essa primeira opção, a Yubb também é um buscador de investimentos, não só de renda fixa. A plataforma possui alternativas de diversas corretoras e, na renda fixa, sempre mostra a rentabilidade em relação ao CDI.

Assim, é possível entender se a aplicação ganha ou perde desse benchmark do mercado.

Carteira de dividendos

Para quem investe no longo prazo, uma grande vantagem é ir colhendo o retorno com dividendos ao longo dos anos. Há até quem tem por objetivo viver de renda com esse lucro.

A ferramenta Análise de Ações, no Simulador de Dividendos, mostra qual deveria ser o tamanho da carteira para você ter certa quantia mensal.

Vale lembrar que a quantia muda de acordo com a empresa escolhida.

Por exemplo, para ter R$ 1.000 em dividendos sua carteira deveria ser de R$ 99.834 na ação preferencial da Transmissão Paulista. Se a empresa da sua carteira é a Eletrobras, o valor que deveria ser investido é de pouco mais de R$ 121 mil para ter os mesmos R$ 1.000 mensais.

Efeito dos juros compostos

Investidores que estão começando muitas vezes não dão valor às pequenas quantias que recebem de dividendos. A ferramenta Juros Compostos, do site Clube FII, mostra o impacto de reaplicar os dividendos ao longo dos anos.

No vídeo acima, mostramos a simulação com um fundo imobiliário em que, ao aplicar em 100 cotas, a diferença chegou a quase R$ 15 mil se a pessoa tivesse recebido e reaplicado os dividendos .

Indicadores das empresas

Para o investidor com perfil mais arriscado que está na fase de aplicar em ações, é fundamental conhecer a fundo as empresas. O problema é que nem sempre temos tempo para analisar os milhares de dados do balanço e calcular alguns indicadores.

O site Suno Analítica já traz o histórico de preços e os indicadores fundamentalistas para o investidor analisar as companhias.

De qual dessas ferramentas você mais gostou? Comente abaixo ou nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL