PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Econoweek

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

CDI ou Selic: quais investimentos acompanham os juros?

Conteúdo exclusivo para assinantes
Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone é economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

13/07/2021 04h00

Muitas pessoas chegam até o Econoweek perguntando se vale a pena investir na Selic ou no CDI. Aqui, já percebemos um equívoco: na verdade, não há como aplicar nos indicadores. Há somente investimentos que acompanham essas taxas.

Por isso, a coluna abaixo explica se vale a pena investir nas aplicações que seguem o CDI e a Selic, o que são essas taxas e quais as opções do mercado.

O que é CDI?

Sigla de Certificado de Depósito Interbancário, o CDI chega a ser chamado de "CDB dos bancos". Isso porque representa a taxa que um banco cobra do outro quando faz um empréstimo de curto prazo.

É o indexador mais comum nos investimentos. Atualmente, é de 4,15% ao ano, taxa que pode ser checada no site da bolsa de valores, a B3.

O que é Selic?

Já a sigla Selic significa Sistema Especial de Liquidação e de Custódia. A Selic também é utilizada em operações de curtíssimo prazo entre bancos, mas, nesse caso, são oferecidos títulos públicos como lastro (em garantia) entre as instituições financeiras.

Atualmente, a taxa Selic está em 4,25%. A cada 45 dias ela muda conforme definição do Comitê de Politica Monetária (Copom). O valor atual da meta da Selic pode ser verificado no site do BC.

Em resumo, até aqui você entendeu que CDI e Selic não são investimentos, mas taxas de empréstimos entre bancos.

Quais investimentos acompanham o CDI ou a Selic?

O CDI, como já dito, é a taxa mais comum do mercado. Por isso mesmo, são muitas opções no mercado: CDBs, LCIs, LCAs e LCs são os mais comuns.

Todos esses títulos, se forem pós-fixados, podem pagar um porcentual do CDI. Ao ver a oferta do investimento, irá ler algo como "110% do CDI" ou "90% do CDI).

No caso da Selic, há o Tesouro Direto que oferece 100% da Selic e a poupança (70% da Selic).

Os investimentos pós-fixados podem ser boas opções para o investidor que está começando a montar a reserva de emergência, mas, nesse caso, atente-se a escolher um título que tenha liquidez diária.

Também são alternativas para quem acredita que os juros seguirão subindo, pois o investimento está diretamente ligado às taxas. Se elas sobem, você recebe mais. Se caem, a rentabilidade diminui.

Quais aplicações de renda fixa você tem em carteira? Comente abaixo ou nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL