PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Econoweek

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Renda fixa ou variável? A gente explica qual é o melhor investimento

Conteúdo exclusivo para assinantes
César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

20/08/2021 04h00

Renda fixa ou renda variável: o que é melhor? Eu devia investir em Tesouro Direto e CDBs ou em ações e fundos imobiliários? Qual é o melhor investimento?

Foi exatamente sobre isso que a gente discutiu com a comunidade Econoweek no vídeo acima. Agora, vamos explicar todas as semelhanças e diferenças que você precisa saber antes de investir em renda fixa ou variável.

O que é renda fixa e variável?

Renda fixa - Título de dívida no qual você empresta dinheiro para outra parte (tipicamente para o Governo Federal ou para um banco privado), que se compromete em devolver sua grana numa data futura com a rentabilidade combinada. Na hora da aplicação já é possível calcular a rentabilidade esperada para o investimento.

Renda variável - Ao contrário da renda fixa, você não está emprestando seu dinheiro para ninguém. Na verdade, normalmente, está se tornando sócio de alguma coisa. Ao investir em ações, torna-se sócio de uma empresa e ao investir em FIIs, os fundos imobiliários, torna-se proprietário de uma parte de um conjunto de imóveis.

Como ganhar dinheiro?

Renda fixa - como falei, a lógica é de um empréstimo. Mas, nesse caso, não é você que vai pagar os juros, pois está emprestando o dinheiro. Na verdade, a rentabilidade é justamente o juro que receberá por emprestar seu dinheiro ao investir em um título de renda fixa.

Renda variável - como você se torna sócio de uma empresa, no caso das ações, ou de um grupo de imóveis, no caso dos FIIs, você também recebe sua participação nos lucros. Dividendos, juros sobre capital próprio e outros proventos são os nomes mais comuns dados a isso (mas nenhum é garantido, pois precisa haver lucro). É daí que vem o nome: rentabilidade variável.

O sobe e desce é muito forte?

Renda variável - Sim. Os preços oscilam bastante e sofrem influência do mercado financeiro e de fatores que vão desde a política nacional até as decisões tomadas pelos gestores das empresas.

Renda fixa - O preço também oscila, mas isso só importa para quem quiser se desfazer do título antes do vencimento. Se ficar até o vencimento, a rentabilidade vai ser paga conforme o combinado, sem tirar nem pôr.

Os riscos são muito grandes?

Renda fixa - Se ficar até o vencimento (prazo combinado) receberá a rentabilidade combinada. Na renda fixa não existe rendimento negativo, desde que você aguarde o vencimento do prazo acordado.

Renda variável - Os rendimentos são incertos, como falamos antes. Também há a chance de perder toda a grana investida se a empresa falir, no caso das ações, por exemplo. De qualquer maneira, ao selecionar bons ativos de renda variável e estudar os investimentos que está fazendo, esses riscos são minimizados.

Qual é o potencial de lucro?

Renda fixa - Tipicamente, os rendimentos de investimentos de renda fixa são vistos como baixos a moderados. Mas, no Brasil, não é bem por aí! Há investimentos de renda fixa protegidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), com rentabilidade bem acima dos 10% ao ano.

Renda variável - O potencial de lucro na renda variável é maior, mas também pode dar prejuízo. Você pode perder dinheiro com a desvalorização de um ativo. Contudo, os ganhos podem ser maiores que na renda fixa. São investimentos de maior risco.

Quem deveria investir?

Se você está pensando em investir, mas ainda não sabe onde, comece assistindo ao vídeo no topo deste artigo. Por lá, falamos sobre:

  • O perfil de investidor para cada tipo de investimento;
  • Como decidir onde investir;
  • Como fazer esses investimentos, passo a passo.

Juros simples ou juros compostos?

Você tem que saber que todo investimento sério rende juro composto, na renda fixa ou na renda variável.

No vídeo a seguir, mostramos todos esses investimentos e uma aplicação secreta protegida pelo FGC, que ao aplicar R$ 100 todos os meses conseguirá chegar a R$ 1 milhão para a sua aposentadoria. Você tem que assistir!

Faça parte da comunidade Econoweek nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube) para acompanhar mais dicas de inteligência financeira como essa.

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL