PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Econoweek

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Tesouro Direto errou a conta? Títulos que vencem antes estão rendendo mais

Conteúdo exclusivo para assinantes
César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

16/11/2021 04h00

Você entra para investir no Tesouro Direto e as taxas de rentabilidades que deviam ser maiores para as aplicações com vencimentos em datas mais distantes estão rendendo menos do que as que vencem antes. O normal é o contrário, não é?

Se você também não entendeu os motivos de isso estar acontecendo, vamos traduzir a chamada "curva de juros invertida" do Tesouro Direto, que é quando as taxas de retorno ficam estranhas.

O que é curva de juros do Tesouro Direto?

O normal seria você entrar no site do Tesouro Direto e ver rentabilidades crescentes conforme os vencimentos dos títulos ficam mais longos.

Traduzindo: você tem que ganhar mais por deixar seu dinheiro mais tempo investido.

Ao juntar em um gráfico as rentabilidades de cada título do Tesouro, com seus respectivos vencimentos, chegará à chamada curva de juros, exatamente como mostrei no vídeo acima.

O que é curva de juros invertida do Tesouro Direto?

Provavelmente você entrou no site do Tesouro Direto ou foi investir no Tesouro através do aplicativo da sua corretora (o que dá no mesmo) e viu algo muito estranho: as rentabilidades das aplicações que vencem antes estão pagando mais do que as que vencem depois.

A pergunta mais importante a ser respondida é: por que alguém investiria numa aplicação que vence lá na frente, daqui a muito tempo, sendo que poderia aplicar a mesma grana em um título que vence antes e ainda está pagando mais?

Exatamente! Há poucos motivos para investir nos títulos mais longos (aqueles que vencem depois).

Essa é a chamada curva de juros invertida!

Se você fizer o mesmo gráfico fazendo uma linha que liga as taxas de retorno com os prazos de cada vencimento, ele vai ter exatamente a aparência da ilustração que mostramos no vídeo do topo deste artigo: uma curva de juros inclinada para baixo!

Isso tem tudo a ver com um negócio chamado marcação a mercado, que já expliquei aqui.

Por que o Tesouro Direto está com as taxas invertidas?

Uma curva de juros normal, inclinada para cima, mostra que as coisas estão saindo conforme o esperado. Ou seja, a economia está crescendo, há expectativa de que as coisas continuarão evoluindo e a tendência é de tudo melhorar.

A curva de juros normal representa exatamente esta perspectiva: de que tudo está acontecendo dentro da normalidade, e por isso você tem que ser recompensado com maior rentabilidade por investir seu dinheiro por mais tempo em vez de torrar tudo hoje!

E tem mais! Quem se compromete a deixar o dinheiro investido por mais tempo também tem que lidar com maior tempo de incerteza de poder precisar da grana antes, mas ter se comprometido a deixar o dinheiro aplicado por mais tempo. Esse é mais um motivo de merecer uma rentabilidade melhor.

Mas agora os investidores acham que o Brasil está tão arriscado que nem querem mais os investimentos com vencimentos mais longos do Tesouro, brigando a tapa pelos mais curtos, fazendo seus preços subirem e invertendo a curva de juros.

Assim, os títulos do Tesouro que vencem antes estão pagando mais do que os que vencem depois.

Há também a motivação de a Selic estar em trajetória de alta para combater a crescente inflação, e ela deve voltar a recuar futuramente.

Por que o Tesouro Direto deixa a curva de juros ficar invertida?

Você deve estar se perguntando: por que o Tesouro faria isso? Na verdade, ele odeia quando isso acontece, mas não é o Tesouro que determina quanto vai pagar nesses investimentos. É simplesmente a lei da oferta e da procura.

O Tesouro precisa da grana do seu investimento para poder gastar com as despesas do governo e os grandes investidores não estão mais aceitando as taxas de juros oferecidas normalmente, então fazem uma contraproposta de taxas mais altas. É pegar ou largar!

Com o endividamento do governo cada vez maior e os gastos públicos só aumentando, o Tesouro não tem a opção de "largar". Ele só pode "pegar".
Isso faz os juros aumentarem porque o Brasil está mais enrolado e o risco de calote aumenta um pouco. Mas isso, por si só, não inverteria a curva de juros, apenas faria os juros subirem como um todo, certo?

Exatamente! O que faz a curva de juros se inverter é a percepção dos investidores de que o desacerto está tão grande que haverá uma crise pelo caminho, aí você perde a perspectiva de um futuro melhor.

Muitos podem pensar: "Possivelmente as coisas serão piores ano que vem do que agora", ou ainda podem temer que o governo poderia não mais conseguir honrar seu compromisso de pagar os investidores. Por isso eles preferem a maior certeza de aplicações que vencem no logo do que a crescente incerteza de um cenário cada vez mais imprevisível nos médio e longo prazos.

Você ouviu falar da PEC dos precatórios e que o governo está querendo dar um calote? Não é exatamente um calote. Os precatórios são dívidas do governo que já não cabem mais recursos na justiça e têm data definida em juízo para serem pagas.

Agora, o governo quer justamente pagar essa dívida quando "der na telha" para ter mais espaço no orçamento. Adivinha para quê? Para aumentar os gastos!

Absurdo, não é? Mas foi isso que criou essa curva de juros invertida!

Ainda é seguro investir no Tesouro Direto?

Calma! Respire! Tudo isso parece muito aterrorizante, mas sim, o Tesouro Direto continua sendo o investimento mais seguro do Brasil.

Ficou um pouco mais arriscado? Sim! Esse é o cenário ideal? Com certeza, não!

Mas você pode ver "o copo meio cheio" em vez de "meio vazio": as rentabilidades do Tesouro Direto estão extraordinariamente altas e você pode aproveitar para investir numa aplicação que renda cada vez mais que a poupança e é ainda mais segura do que ela.

É isso que expliquei na série Mapa do Tesouro Direto, que vai tornar você expert nessa aplicação, pois vai entender por que o Tesouro Direto continua seguro, mesmo em situações ruins como essa. Também vai entender para que serve cada uma das diferentes aplicações do Tesouro e todo mundo vai passar a tirar dúvidas com você sobre como fazer investimentos.

É de graça! Faça parte da comunidade Econoweek nas nossas redes sociais (Instagram ou YouTube) para acompanhar mais dicas de inteligência financeira como essa.

PUBLICIDADE