PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

José Paulo Kupfer

Pandemia aumenta risco de falsos positivos em indicadores de atividade

Conteúdo exclusivo para assinantes
José Paulo Kupfer

Jornalista profissional desde 1967, foi repórter, redator e exerceu cargos de chefia, ao longo de uma carreira de mais de 50 anos, nas principais publicações de São Paulo e Rio de Janeiro. Eleito “Jornalista Econômico de 2015” pelo Conselho Regional de Economia de São Paulo/Ordem dos Economistas do Brasil, é graduado em economia pela FEA-USP e integra o Grupo de Conjuntura da Fipe-USP. É colunista de economia desde 1999, com passagens pelos jornais Gazeta Mercantil, Estado de S. Paulo e O Globo e sites NoMinimo, iG e Poder 360.

14/08/2020 16h51

Estatísticas são como os biquinis, mostram tudo menos o essencial. A frase, atribuída ao economista Roberto Campos, ministro no governo do Marechal Castelo Branco, cai como uma luva nas interpretações dos dados do comportamento da economia, em meio à pandemia de Covid-19. A avaliação de que a economia brasileira está em recuperação - e recuperação na forma de um "V" - é, de fato, o que mostram os números, quando se observa o comportamento mês a mês. Avaliando com mais atenção informações ampliadas, contudo, esta conclusão configura um falso positivo.

É tão óbvio que uma retomada, mesmo tímida, depois de uma queda acentuada, em espaço curto de tempo, só poderá resultar numa curva em formato de "V". Se isso é tão evidente, a conclusão de que se trata de uma recuperação em "V" não serve para nada. Uma verdadeira recuperação em "V" - ou seja, mais vigorosa -, resumindo, exige um período de tempo maior para que possa ser contatada.

O IBC-Br (Índice de Atividade Econômica), de junho, divulgado nesta sexta-feira (14), é mais uma prova da necessidade de extrair das estatísticas o que realmente é essencial. O índice mensal calculado pelo Banco Central subiu 4,89% entre maio e junho, mas recuou 7,05%, na comparação com junho de 2019. Efetuados os ajustes sazonais, a atividade, em junho, ainda se encontrava 14,4% do nível pré-pandemia, de fevereiro deste ano. Significa que a economia voltou a crescer, mas que tipo de crescimento é esse?

Para imaginar o formato da curva, pode-se considerar sua trajetória de março a junho. Em março, o IBC-Br recuou 6,1% sobre fevereiro, em abril caiu 9,6% em relação a março. Quando começa a retomada, em maio, o IBC-Br estava 16,3% abaixo do nível de fevereiro. Com a expansão de 1,6%, em maio, a curva mostra um "V" com uma perninha micro no lado direito de quem olha o gráfico. Acumulando o crescimento de maio com o de junho, a perna da direita recuperou 6,5%. No visual, a perna da esquerda do "V" ainda é pouco maior do que um terço da perna da direita.

Observando o acumulado no segundo trimestre do ano, vê-se que a atividade foi 10,9% menor do que no primeiro trimestre (e 12% inferior ao nível do segundo trimestre de 2019). A queda trimestral, embora mais branda do que projetado anteriormente, é muito forte. Se a marcha da atividade fosse medida pelo método usado nos Estados Unidos, calculando a taxa de variação anualizada (acumulação por quatro trimestre da mesma da taxa do trimestre em questão, simulando o que aconteceria se aquele ritmo se repetisse por um ano), o tombo seria de espantosos 51,2%!

Dados já conhecidos de julho e alguns preliminares de agosto, indicam que as variações positivas na atividade continuarão prevalecendo. Ainda assim, aos poucos, o "V" dos primeiros meses deve ir se transformando numa espécie de "U", com a base levemente inclinada para cima.

O quadro geral não é favorável a uma expansão mais vigorosa, que de fato permita supor um crescimento em "V". O tamanho da contração no mercado de trabalho, com perdas acentuadas na população ocupada (formal e informal), é um elemento que opera na direção contrária a uma retomada forte. O efeito líquido da ação desse freio com o impulso das transferências de renda (auxílio emergencial) e sustentação de empregos formais, será um avanço em ritmo lento, dependente da manutenção desses programas.

De acordo com as estimativas mais recentes, o PIB do segundo trimestre, previsto para ser publicado no início de setembro, mostrará alinhamento com o IBC-Br, apresentando queda em torno de 10%. É um mergulho mais suave do que os até 20%, previstos anteriormente, mas não é pequeno. Para o ano como todo, seguindo a tendência de abrandamento das previsões de queda, as estimativas convergem agora para uma contração em torno de 5%. Caso a projeção se confirme, isso vai comer os pequenos ganhos obtidos depois de 2016.

PUBLICIDADE