PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

José Paulo Kupfer

Atividade em julho reafirma recuperação condicionada ao auxílio emergencial

Conteúdo exclusivo para assinantes
José Paulo Kupfer

Jornalista profissional desde 1967, foi repórter, redator e exerceu cargos de chefia, ao longo de uma carreira de mais de 50 anos, nas principais publicações de São Paulo e Rio de Janeiro. Eleito “Jornalista Econômico de 2015” pelo Conselho Regional de Economia de São Paulo/Ordem dos Economistas do Brasil, é graduado em economia pela FEA-USP e integra o Grupo de Conjuntura da Fipe-USP. É colunista de economia desde 1999, com passagens pelos jornais Gazeta Mercantil, Estado de S. Paulo e O Globo e sites NoMinimo, iG e Poder 360.

14/09/2020 16h33

Entre muitos estragos que causou, a pandemia também trouxe novas dificuldades para a análise dos eventos econômicos. O sobe e desce dos números, acompanhando, de certo modo, o abre e fecha da economia, na esteira do aumento ou contenção do contágio de Covid-19, passou a exigir cuidados redobrados na interpretação de suas causas e efeitos.

A variação do IBC-Br (Índice de Atividade Econômica), de julho, calculado mensalmente pelo Banco Central, não foge à nova regra. O resultado, na série com ajuste sazonal, foi de uma alta de 2,1% sobre o índice de junho, abaixo das expectativas de mercado, que esperava alta de 3,4%.

Assim, de acordo com esse exame, a recuperação dos negócios, em julho, decepcionou. Sem ajuste, porém, a atividade econômica, com uma queda de 4,9% sobre o índice de julho de 2019, no mês, ficou acima das projeções, que estimavam queda de 5,4%.

Ocorre que, depois da divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) do segundo trimestre deste ano, o BC promoveu uma revisão dos dados da série do IBC-Br, na qual a queda no período abril-junho, ficou em 11,4%, um pouco menos intensa do que o recuo de 12% anteriormente divulgado. Essa revisão influenciou o processo de ajustamento sazonal, mudando os números efetivos.

Tudo pesado e medido, o IBC-Br de julho reafirmou uma tendência já estabelecida. Como efeito da flexibilização gradual do distanciamento social, de uma cada vez mais presente "fadiga do isolamento" e da demanda impulsionada pelo auxílio emergencial, a economia tem reagido positivamente, ainda que sem a tração necessária para superar a situação pré-pandemia.

A média móvel trimestral do IBC-Br, uma aproximação mais efetiva com a marcha do PIB, mostra que, em julho, houve avanço de 3,1% sobre junho, quando a atividade havia recuado 0,7%, em relação a maio. Este é o primeiro resultado do IBC-Br no campo positivo em quatro meses, mas ainda aponta contração de 6,5%, na comparação com fevereiro. Além disso, no acumulado em 12 meses, a queda de 2,9% é o pior resultado em quatro anos e meio.

Nada de muito diferente se espera para agosto e setembro. Para o mês passado, por exemplo, as projeções são de alta nas vizinhanças de 2% sobre julho e queda de 5%, na comparação com agosto de 2019. Setembro vai no mesmo diapasão. Retomada na indústria e no comércio, sobretudo no chamado comércio ampliado, que inclui veículos e material de construção, mas serviços ainda no terreno negativo. Um quadro que reflete o cenário de relaxamento do distanciamento e efeitos das transferências de renda. A permanência de incertezas dificulta a saída desse círculo de "recuperação condicionada".

Assim, expectativas são de recuperação no PIB do terceiro trimestre, na comparação com o segundo, mas sem avanço significativo, em relação ao mesmo período de 2019. Depois de cair perto de 12% no trimestre anterior, a economia vai recuperar parte desta perda subindo, de acordo com as previsões, entre 7% e 8%. No cotejo com o terceiro trimestre do ano passado, ainda retração de 5%.

PUBLICIDADE