IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Ibovespa hoje: Prévia do PIB deve influenciar negativamente o pregão

Vista do prédio do Banco Central do Brasil em Brasília (DF) - Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo
Vista do prédio do Banco Central do Brasil em Brasília (DF) Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

19/05/2023 09h02

Esta é a versão online da newsletter Por Dentro da Bolsa enviada hoje (19). Quer receber antes o boletim e diretamente no seu email? Clique aqui. Os assinantes UOL ainda podem receber dez newsletters exclusivas toda semana.

Depois de uma semana voltada ao andamento do arcabouço fiscal, os investidores observam os dados de crescimento da economia. Nesta sexta-feira (19) será divulgado o IBC-Br, levantamento mensal do Banco Central que é considerado a "prévia do PIB". O relatório deve sinalizar uma desaceleração no crescimento em março e influenciar negativamente o mercado.

Os índices futuros dos EUA amanhecem com leve alta. O sentido positivo é mantido pelas expectativas de que as negociações entre republicanos e democratas será bem-sucedida e o governo vai conseguir elevar o teto da dívida norte-americana. A mesma expectativa também impulsiona as Bolsas da Europa.

Hoje, a agenda macroeconômica está mais vazia no mercado internacional. Os agentes de mercado, no entanto, estão apreensivos quanto aos próximos passos na política monetária do Fed, o banco central dos EUA.

Ontem, a presidente do Fed de Dallas, Lorie Logan, afirmou que ainda não vê motivo para pausa na elevação de juros em junho. Ao meio-dia, o presidente do Fed, Jerome Powell, discursa sobre política monetária em uma conferência em Washington. Suas falas podem influenciar a direção dos mercados.

Na Ásia, temos mais um dia de alta no Japão e de queda nos índices chineses. Os dois mercados foram impactados pelos resultados da Alibaba, gigante do varejo na China —equivalente a Amazon nos EUA—, que divulgou resultados levemente abaixo do esperado. O fato preocupante é que a queda no faturamento, apesar de modesta, veio de sua principal divisão, a de e-commerce.

Do lado das commodities, os preços do petróleo sobem na esteira de uma economia resistente nos EUA. O minério de ferro exibe quedas seguindo relatórios de que a produção de aço na China continua se contraindo, derrubando o preço do minério, principal ingrediente do aço, o que pode limitar o andamento das ações da Vale.

Empresas

Americanas: informaram que, conforme previsto no Plano de Recuperação Judicial, começarão a buscar potenciais compradores para o Hortifruti Natural da Terra.

Vale: como parte de seu plano estratégico, teria recebido ofertas para compra de 10% da unidade de metais básicos no início desta semana, o que ajudaria a destravar valor no negócio através dessa "parceria".

Próximos dias: o investidor que quiser se preparar e aproveitar algumas ações que estão com dividendos anunciados, a Alpargatas (ALPA4), JBS JBSS3) e Ultrapar (UGPA3) ficarão com suas ações ex-dividendos na próxima semana.

**********

Veja como foi o fechamento de dólar, euro e Bolsa na quinta (18):

Dólar: +0,68%, R$ 4,968
Euro: +0,09%, R$ 5,354
B3 (Ibovespa): +0,59%, 110.108,46 pontos

**********
NA NEWSLETTER UOL INVESTIMENTOS

O bitcoin, primeira criptomoeda e ainda a mais popular, está em alta no ano. A valorização é de mais de 60% desde janeiro. Saiba se é hora de comprar e veja os passos para investir em criptoativos. Para se cadastrar e receber a newsletter semanal, clique aqui.

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Mais dicas de investimento

Assine UOL e veja guia para investir e ter dinheiro pingando na conta. Leia mais

Investimentos que pagam renda mensal, como aluguel, disparam. Vale a pena? Leia mais

A sua mente te atrapalha a melhorar sua vida financeira? Leia mais

Ibovespa fecha acima de 110 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro. Leia mais

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.