Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Juros na China e na Europa, petróleo e o que mais impacta a Bolsa hoje

Veja as principais notícias que impactam o seu bolso hoje.

Assista ao vivo aos destaques dos mercados, com análises dos especialistas de Research do PagBank, e se prepare para investir melhor.

Acompanhe o programa diariamente, de segunda a sexta-feira, às 8h40, e fique bem informado sobre todas as notícias e mudanças que impactam os mercados. Aproveite também para tirar suas dúvidas sobre investimentos.

O programa é apresentado pela equipe de Research e Economia do Pagbank.

Conheça a página de Investimentos do UOL, onde você tem orientações sobre como investir melhor para conquistar um sonho e garantir seu futuro.

Tem dúvidas? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Veja a análise do dia no vídeo a seguir, confira os destaques noticiosos mais abaixo e tenha um bom dia de investimentos:

No Brasil, o mercado deve repercutir o corte de juros na China e a alta das commodities. Na política, destaque para a aprovação do projeto de lei para compensar estados e municípios pelas perdas na arrecadação do ICMS em 2022. O texto prevê uma antecipação de R$ 10 bilhões em recursos, seja por repasses diretos do Tesouro ou abatimento de dívidas. A proposta também determina que a União deposite um extra de R$ 2,3 bilhões no FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e de R$ 1,6 bilhão no FPE (Fundo de Participação dos Estados). Foram 349 votos favoráveis, 68 contrários e duas abstenções na Câmara. A proposta agora segue para o Senado.

Continua após a publicidade

Os índices futuros americanos sobem após as boas notícias vindas da Ásia. Além da redução dos juros, também contribui para este movimento a divulgação de dados da indústria e do varejo na China que surpreenderam positivamente o mercado. Os investidores ainda aguardam a publicação de indicadores dos Estados Unidos, incluindo a produção industrial, a confiança do consumidor e as expectativas de inflação, que podem ajudar a calibrar as projeções para a decisão do Fed (Federal Reserve, o Banco Central americano) sobre os juros, na semana que vem.

As Bolsas europeias também operam em alta, puxadas pela decisão sobre juros na Zona do Euro. O BCE (Banco Central Europeu) sinalizou que pode interromper em breve o atual ciclo de reajustes nos juros, depois de aumentá-los pela 10ª vez consecutiva ontem (14). Com esta última alta de 0,25 ponto percentual, o BCE espera trazer a inflação na Zona do Euro a 2% no médio prazo. Paralelamente, o corte nos juros e os dados positivos da China também impulsionam os mercados na Europa.

Na Ásia, os mercados fecharam de forma mista, digerindo os dados divulgados na China. O índice Nikkei subiu 1,1% no Japão, enquanto o sul-coreano Kospi avançou 1,1%. O Hang Seng registrou alta de 0,75% em Hong Kong, e o Taiex subiu 0,67% em Taiwan. Na China, porém, o dia foi negativo: o Xangai Composto recuou 0,28%, e o Shenzhen Composto caiu 0,31%. Os dados da produção industrial e do varejo chineses superaram as projeções, com crescimento de 4,5% e 4,6% em agosto, respectivamente. Por outro lado, alguns indicadores decepcionaram e trouxeram dúvidas sobre a recuperação da economia do país. É o caso dos investimentos em ativos fixos, que subiram 3,2% nos primeiros oito meses de 2023, ante uma expectativa de aumento de 3,3%. As vendas de moradias também não animaram, mostrando uma queda de 1,5% no acumulado de janeiro a agosto — o que indica uma piora no mercado imobiliário frente ao período de janeiro a julho (-0,7%).

Do lado das commodities, destaque para a disparada do petróleo. Os preços subiram para o nível mais alto em 10 meses, em resposta ao anúncio de estímulos econômicos na China e às expectativas de que os principais ciclos de aumento nos juros no mundo se aproximam do fim. As cotações de minérios de ferro também fecharam com ganhos na China.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Deixe seu comentário

Só para assinantes