Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Véspera da Super Quarta e prévia do PIB são os destaques da Bolsa

Veja as principais notícias que impactam o seu bolso hoje.

Assista ao vivo aos destaques dos mercados, com análises dos especialistas de Research do PagBank, e se prepare para investir melhor.

Acompanhe o programa diariamente, de segunda a sexta-feira, às 8h40, e fique bem informado sobre todas as notícias e mudanças que impactam os mercados. Aproveite também para tirar suas dúvidas sobre investimentos.

O programa é apresentado pela equipe de Research e Economia do Pagbank.

Conheça a página de Investimentos do UOL, onde você tem orientações sobre como investir melhor para conquistar um sonho e garantir seu futuro.

Tem dúvidas? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Veja a análise do dia no vídeo a seguir, confira os destaques noticiosos mais abaixo e tenha um bom dia de investimentos:

No Brasil, a Super Quarta continua no foco dos investidores. Eles aguardam a decisão dos juros nos EUA e daqui do Brasil. Além da espera pela decisão da política monetária, os investidores ainda aguardam a divulgação do IBC-Br, considerado "a prévia do PIB", às 9h. O IBC-Br deve apresentar alta de 0,40% em julho em relação ao mês anterior, segundo estimativa mediana em pesquisa Bloomberg, após ter registrado alta de 0,63% na medição anterior. Na comparação anual, a estimativa é de alta de 1,0%, ante um aumento de 2,10% anteriormente.

Continua após a publicidade

Nos EUA, os futuros operam em leve altas, à espera da decisão da política monetária do Federal Reserve (Fed). Grande parte do mercado aguarda a manutenção da taxa de juros. No entanto, uma mensagem dos dirigentes após a decisão será acompanhada de perto para mostrar quais serão os próximos passos. Provavelmente, o discurso trará novamente a atenção dos dirigentes quanto ao cenário inflacionário e às atenções aos próximos indicadores, deixando em aberto a possibilidade de um ajuste adicional este ano. Na agenda econômica, saiu o índice de confiança das construtoras, que caiu de 50 para 45 pontos, também ficando abaixo das projeções do mercado que era de 49 para setembro de 2023. Hoje, teremos a divulgação das encomendas à indústria (ago/23) e novas construções (ago/23) às 9h30.

Na Europa, as bolsas operam com ganhos. Os investidores estão à espera da reunião de política monetária dos EUA e repercutem os dados de inflação ao consumidor da Zona do Euro de agosto. Na Europa, Reino Unido, Suíça e Noruega anunciaram suas taxas na quinta-feira (21). Os investidores também estão digerindo os números finais de inflação ao consumidor (IPC) da Zona do Euro. Segundo a revisão do Eurostat, a taxa anual do IPC do bloco desacelerou levemente em agosto, para 5,2%, de 5,3% em julho. Na estimativa inicial de agosto havia estabilidade da taxa, em 5,3%.

Na Ásia, as bolsas fecharam em baixa, com os investidores mantendo uma cautela antes da decisão de juros do Federal Reserve (Fed). Na volta de um feriado, o índice japonês Nikkei caiu 0,87% em Tóquio hoje, enquanto o sul-coreano Kospi recuou 0,60%, e o Taiex registrou perda de 0,37% em Taiwan. Na China continental, o Xangai Composto teve uma baixa marginal de 0,03%, e o Shenzhen Composto recuperou 0,88%. A exceção ficou com o Hang Seng, que avançou 0,37% em Hong Kong, sustentado por ações ligadas às commodities. Investidores na Ásia e em outras partes do mundo estão em compasso de espera antes da reunião de política monetária do Fed, que começa hoje e será concluída amanhã (20). Outras decisões de juros estão previstas para esta semana. A China revisa suas taxas no fim da noite de hoje.

No mercado de commodities, os preços do petróleo operam em alta. Eles caminham para uma quarta alta consecutiva, com o petróleo tipo Brent operando acima dos US$ 95 o barril. A subida no preço do petróleo reflete a quebra na produção de xisto nos EUA, estimulando novas preocupações sobre um déficit de oferta resultante de cortes prolongados de produção por parte da Arábia Saudita e da Rússia. Enquanto isso, as cotações de minério de ferro na China fecharam com baixa, devido às preocupações crescentes com o setor imobiliário chinês.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Deixe seu comentário

Só para assinantes