Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Ata do Copom, boas notícias de EUA e China: o que impacta os mercados hoje

Veja as principais notícias que impactam o seu bolso hoje.

Assista ao vivo aos destaques dos mercados, com análises dos especialistas de Research do PagBank, e se prepare para investir melhor.

Acompanhe o programa diariamente, de segunda a sexta-feira, às 8h40, e fique bem informado sobre todas as notícias e mudanças que impactam os mercados. Aproveite também para tirar suas dúvidas sobre investimentos.

O programa é apresentado pela equipe de Research e Economia do Pagbank.

Conheça a página de Investimentos do UOL, onde você tem orientações sobre como investir melhor para conquistar um sonho e garantir seu futuro.

Tem dúvidas? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Veja a análise do dia no vídeo a seguir, confira os destaques noticiosos mais abaixo e tenha um bom dia de investimentos:

A ata do Copom e a prévia da inflação (IPCA-15) não animaram os mercados no Brasil. As divulgações de ontem (26) não deram espaço para que os investidores projetem um corte mais agressivo nos juros na próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) — o que ainda repercute na Bolsa hoje. Segundo a ata, o cenário ainda inspira cautela, reforçando a serenidade e moderação que o Banco Central tem adotado. Paralelamente, rumores de que a tramitação da reforma tributária vai atrasar também vêm estressando o mercado. Sem mais indicadores importantes a serem divulgados, destaque apenas para a reunião do presidente Lula (PT) com o presidente do BC, Roberto Campos Neto, e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Continua após a publicidade

Os futuros americanos operam em alta após acordo entre republicanos e democratas. Situação e oposição concordaram em prorrogar temporariamente o financiamento do governo até meados de novembro, eliminando o risco de paralisação iminente. Essa ameaça era uma das preocupações que pressionavam os mercados, juntamente com a expectativa de juros altos por um longo período nos Estados Unidos e a crise na China. Os investidores ainda aguardam a divulgação dos estoques de petróleo bruto, com previsão de queda de 600 mil barris.

As Bolsas europeias também sobem, em meio à perspectiva de juros altos por mais tempo. Os mercados locais ainda repercutem as notícias positivas vindas dos EUA e da China, além de novos dados da Alemanha. O índice GfK de confiança do consumidor ficou em -26,5 em outubro, abaixo das expectativas do mercado.

Na Ásia, o dia foi positivo, puxado pela recuperação do lucro industrial na China. O índice Xangai Composto subiu 0,16%, o Nikkei teve alta de 0,18% no Japão e o Hang Seng avançou 0,83% em Hong Kong. Dados oficiais mostraram que o lucro industrial chinês saltou 17,2% em agosto frente ao mesmo mês de 2022, revertendo a queda de 6,7% vista em julho. Já entre janeiro e agosto, houve recuo anual de 11,7% — mais suave do que a retração de 15,5% acumulada até julho. O PBoC (Banco Central da China), por sua vez, prometeu intensificar o apoio à economia, em um momento de preocupações renovadas sobre o setor imobiliário do país e, mais especificamente, sobre a incorporadora China Evergrande, que enfrenta dificuldades para reestruturar sua dívida gigantesca.

O petróleo sobe, à medida que investidores se concentram no aperto da oferta. Os mercados seguem receosos quanto à possibilidade de os estoques de petróleo bruto dos EUA caírem abaixo dos níveis operacionais mínimos. As cotações do minério de ferro na China fecharam em alta, após dados melhores do que o esperado sobre o lucro industrial no país. Mas persistem as preocupações com a demanda em meio à fraqueza no mercado imobiliário chinês, que continua sendo um obstáculo.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes