Todos a Bordo

Todos a Bordo

Reportagem

Como esse avião consegue entrar no olho de furacões? Conheça o WP-3D Orion

O furacão Beryl ganhou intensidade nos últimos dias e chegou à classificação de número 5, a mais alta desse tipo de fenômeno, com ventos de até 270 km/h. Ele está sobre a região do Caribe, e deve perder força antes de chegar ao México.

A Noaa (National Oceanic and Atmospheric Administration, ou, Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA) divulgou imagens de seus aviões W3-PD Orion usados em pesquisas climáticas voando em pleno olho do furacão. Como ele consegue fazer isso em segurança?

Caco e Miss Piggy

A Noaa possui dois W3-PD Orion "Caçadores de Furacão", e cada um tem um nome curioso. Os dois são batizados em homenagem ao casal mais famoso do universo Muppets: Miss Piggy e Kermitt, conhecido no Brasil como Caco, o Sapo.

O W3-PD Orion é uma variante do P-3 Orion, aeronave de patrulhamento e de combate antissubmarino que é usada inclusive pela FAB (Força Aérea Brasileira). Essa versão do avião, por sua vez, é derivada da aeronave comercial Lockheed L-188 Electra, o modelo principal utilizado na ponte aérea Rio-São Paulo entre as décadas de 1970 e 1990.

Cabine do WP-3D Orion batizado de Kermit (ou Caco, o Sapo): Avião usado pelo governo dos EUA para pesquisar furacões
Cabine do WP-3D Orion batizado de Kermit (ou Caco, o Sapo): Avião usado pelo governo dos EUA para pesquisar furacões Imagem: Força Aérea dos EUA

Os exemplares foram adquiridos na década de 1970, justamente com o objetivo de monitorar e estudar furacões, tendências climáticas, tempestades mais severas, entre outros fenômenos ligados ao clima.

Esses aviões possuem reforços estruturais específicos. Mas não para as condições severas de voo, e sim para aguentar o peso dos equipamentos acoplados para monitorar os furacões. Em contrapartida, ele é comandado por profissionais experientes, e que usam diversas técnicas para evitar problemas durante o voo.

A Noaa possui dez aviões tripulados em sua frota. Além dos W3-PD, o órgão ainda conta com aviões dos modelos Beechcraft King Air 350/360CER, Gulfstream IV-SP e De Havilland DHC-6-300 Twin Otter.

Operação

Avião WP-3D Orion no olho do furacão Beryl, na região do Caribe
Avião WP-3D Orion no olho do furacão Beryl, na região do Caribe Imagem: Noaa
Continua após a publicidade

Entre algumas das principais adaptações do W3-PD, estão a inclusão de diversos instrumentos de medição e sensores. O avião também possui três radares: um na parte frontal, um na barriga e outro na cauda.

O uso de todos combinado oferece aos pesquisadores uma imagem similar a uma ressonância magnética do furacão, segundo a Noaa. O avião ainda conta com sondas que são lançadas nas águas do oceano e passam a repassar diversas informações para os pesquisadores em tempo real, como pressão, temperatura, velocidade do vento e umidade.

Os voos

Um voo com o W3-PD Orion pode chegar a 10 horas consecutivas. Os aviões voam através da parede do furacão, chegando ao seu interior, onde os ventos não são tão intensos.

Além de diversos cientistas, o avião é comandado por três pessoas simultaneamente. Um dos pilotos fica constantemente com as mãos no manche, controlando o voo.

Pilotos e engenheiro de voo comandam o WP-3D Orion ao entrarem no furacão Ian, em 2022
Pilotos e engenheiro de voo comandam o WP-3D Orion ao entrarem no furacão Ian, em 2022 Imagem: Nick Underwood/Noaa
Continua após a publicidade

Outro piloto atua nas atividades secundárias, como monitoramento dos instrumentos e navegação. Uma terceira pessoa ainda assume o controle da potência dos voos, evitando que os pilotos precisem tirar as mãos dos controles ou se preocupar com mais esse fator durante a operação.

Na calmaria do olho do furacão

A expressão de se estar "no olho do furacão" não faz sentido em comparação com o fenômeno na realidade. Enquanto a frase remete a uma situação problemática e caótica, isso não se aplica aos furacões da vida real.

O vídeo da Noaa mostra a o WP-3D fazendo um voo praticamente estável e com parte do céu limpo de dentro do Beryl. O núcleo central dos furacões, devido aos ventos ali encontrados, não costumam encontrar tantas nuvens, e podem passar de dezenas de quilômetros de diâmetro.

Mas esse fenômeno é considerado mais ameno apenas a uma certa altitude, já que, no solo, o estrago causado com a passagem do furacão é intenso.

Continua após a publicidade

Ficha técnica

Avião WP-3D usado para pesquisar furacões: Destaque para os radares na parte de baixo e traseira do avião
Avião WP-3D usado para pesquisar furacões: Destaque para os radares na parte de baixo e traseira do avião Imagem: Força Aérea dos EUA

Modelo: WP-3D Orion
Apelidos: Miss Piggy e Kermitt
Tempo máximo de voo: 11 horas e 30 minutos
Comprimento: 35,6 metros
Envergadura (distância de ponta a ponta da asa): 30,4 metros
Altura: 10,3 metros
Peso máximo de decolagem: 62,2 toneladas
Altitude máxima de voo: 8,2 km acima do nível do mar
Motores: Quatro turboélices Rolls-Royce T56-14

Frota de aviões da Noaa (Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA) usadas para pesquisar fenômenos climáticos
Frota de aviões da Noaa (Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA) usadas para pesquisar fenômenos climáticos Imagem: Noaa

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Deixe seu comentário

Só para assinantes