Bolsas

Câmbio

Dólar cai 1,2%, a R$ 3,449, em dia de definição sobre presidente do BC

Do UOL, em São Paulo

dólar comercial fechou esta terça-feira (7) com queda de 1,2%, cotado a R$ 3,449 na venda. É a terceira queda seguida da moeda norte-americana e o menor valor de fechamento desde 11 de maio, quando terminou o dia valendo R$ 3,446.

Com isso, o dólar acumula queda de 4,53% no mês e desvalorização de 12,65% no ano. Na véspera, a moeda havia caído 0,98%. 

O dólar começou o dia em alta, mas mudou de sentido e passou a cair ainda pela manhã, durante a sabatina do indicado à presidência do Banco Central, Ilan Goldfajn, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE).

Comissão aprova indicado ao BC

O mercado de câmbio foi influenciado hoje pela sabatina de Ilan Goldfajn. "A leitura do mercado é que haverá pouca interferência no mercado de câmbio quando o Ilan estiver no comando do BC", disse o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado à agência de notícias Reuters. 

"Considero haver praticamente consenso de que é preciso reconstruir o quanto antes o tripé macroeconômico formado por responsabilidade fiscal, controle da inflação e regime de câmbio flutuante, que permitiu ao Brasil ascender econômica e socialmente em passado não muito distante", afirmou Goldfajn, durante a sabatina.

Goldfajn foi aprovado pela comissão para ocupar a presidência do BCmas a nomeação para o cargo precisa ainda ser aprovada no plenário da Casa.

Crise política

Investidores continuavam de olho no cenário político brasileiro. 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a prisão de políticos de alto escalão sob a acusação de terem tentado obstruir a operação Lava Jato.

Na lista de Janot estão o presidente suspenso da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o senador Romero Jucá (PMDB-RR), além do ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP).

"A sensação de risco no Brasil cresceu bastante. E quando o quadro político aperta, o investidor procura o dólar como forma de proteção", afirmou à Reuters o operador da corretora Correparti Jefferson Luiz Rugik.

Operadores temem que a instabilidade política possa dificultar a aprovação de medidas para ajustar as contas públicas no Congresso e prejudicar a credibilidade do país.

Petróleo e juros nos EUA

Também influenciou a cotação do dólar a alta nos preços do petróleo no mercado internacional.

Além disso, investidores ainda estavam otimistas com discurso da véspera da presidente do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano), Janet Yellen.

Ontem, Yellen evitou cravar quando o Fed pretende subir os juros, o que levou muitos investidores a apostar que isso deve acontecer apenas em setembro ou depois.

A alta dos juros nos EUA poderia atrair para lá recursos atualmente investidos em outros países onde as taxas são maiores, como é o caso do Brasil.

(Com Reuters)

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos