IPCA
0.13 Mai.2019
Topo

Empreendedorismo


Aposentou-se e quer empreender para gerar renda ou realizar sonho? 5 dicas

Claudia Varella

Colaboração para o UOL, em São Paulo

2019-05-05T04:00:00

05/05/2019 04h00

Você é daqueles que sempre sonharam em ter seu próprio negócio assim que se aposentasse? Ou, mesmo aposentado, precisa ter outra fonte para complementar sua renda?

Seja por oportunidade ou por necessidade, o empreendedorismo tem sido uma alternativa de vida para brasileiros que se aposentam e se desligam do mercado de trabalho.

Em geral, o aposentado que vai empreender carrega na bagagem algumas vantagens, como ter experiência, disponibilidade de tempo e de dedicação, e até, teoricamente, estabilidade financeira. "Fazer o que gosta é meio caminho andado", afirmou Cristiane Viude, consultora de negócios do Sebrae-SP. Mas abrir um negócio próprio e empreender exige alguns cuidados.

Existe a possibilidade de comprar uma franquia ou começar um negócio do zero. Se optar por franquia, veja antes algumas dicas, como não investir todo o seu dinheiro no negócio e ler atentamente a Circular de Oferta de Franquia (COF), uma espécie de raio-x da empresa.

Mas tome cuidado com franquias de baixo valor. Especialistas alertam que um risco comum que se corre ao comprar franquias baratas é o franqueado se tornar, na prática, um vendedor dos produtos da franqueadora, e ainda pagar taxas altas para isso.

Veja cinco dicas antes de empreender com o dinheiro da sua aposentadoria ou do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

1) Identifique-se com o negócio

Tenha clareza do que pretende fazer. Mas o ideal é não se arriscar tanto. Você pode enveredar no negócio ligado a uma área com a qual se identifique e que lhe traga prazer. Mas é preciso tomar cuidado para não confundir hobby com empresa.

Se for algo no mesmo segmento em que trabalhou a vida toda, a vantagem é aproveitar a experiência que adquiriu ao longo de sua carreira profissional e até os contatos que acumulou.

"O idoso vai somar a sua experiência ao novo negócio, pois ele traz uma bagagem de vida maior e tem mais flexibilidade de horário. Isso vai ser positivo para o negócio", afirmou Cristiane.

Se for algo novo, mas que é a realização de um sonho, sua experiência conta como maturidade, mas é preciso pesquisar mais ainda. Ao entrar numa área em que você conhece menos, a chance de tomar decisões erradas é muito grande.

"Ter experiência e maturidade é um diferencial do empreendedor maduro, em contraponto ao empreendedor jovem, que tende a ir com mais sede ao pote", afirmou a consultora.

2) Faça o plano de negócio

Antes de abrir sua empresa, você deve fazer o plano de negócio, no qual devem constar todos os passos do seu novo empreendimento.

Para isso, mesmo que você já tenha experiência por ter trabalhado na área, vale procurar ajuda de um profissional.

O Sebrae disponibiliza a ferramenta Plano de Negócio, que é um roteiro para ajudar a organizar as ideias. Há também o curso "Começar bem plano de negócio", mas esse é pago.

Para Cristiane, essas ferramentas irão ajudá-lo a tirar a ideia do papel e estruturá-la de forma completa, abordando o plano de marketing (como estratégias de divulgação), o plano operacional (como local, equipamentos, estoque e funcionários) e o plano financeiro (como investimento, prazo de retorno do capital investido, ponto de equilíbrio e lucratividade). Ou seja, é preciso ter capacitação técnica e de gestão do negócio também.

"Você terá maior clareza para empreender. Nada vai garantir 100% de sucesso, mas isso minimiza o risco", declarou ela.

3) Atualize-se no mundo tecnológico

Hoje em dia é quase impossível não trazer tecnologia para dentro do negócio. Se sua empresa não tem ferramentas e estiver fora das redes sociais, ela deixa de ser competitiva.

A falta de familiaridade com essas ferramentas, por exemplo, pode ser uma dificuldade, principalmente para idosos que se aposentam e estão desconectados do mundo tecnológico.

Mas nada está perdido. Você pode se capacitar, fazendo cursos na área, ou procurar um profissional que o ajude com essas tecnologias.

4) Não invista todo o seu capital

Após anos trabalhando até a aposentadoria, não é prudente colocar todo o capital que você guardou durante a vida ou o dinheiro que recebeu do FGTS no negócio.

"Você deve fazer investimento de forma consciente. Isso significa investir, mas também manter uma reserva, para possíveis emergências. Acima de tudo, não é meter os pés pelas mãos. É fazer algo pautado no planejamento para lhe dar alguma garantia para empreender", declarou Cristiane.

5) Sem capital, opte por negócio com baixo investimento

Nem todo mundo que se aposenta tem capital suficiente para montar seu próprio negócio. No entanto, para complementar a renda de sua aposentadoria, você pode optar por fazer algo que não necessite de grandes investimentos.

"Aproveite o seu conhecimento e experiências acumulados durante sua vida profissional para exercer alguma atividade nessa mesma área. Isso vai lhe dar renda e motivação", disse Cristiane.

Entre as opções, estão as de corretor de imóveis, representante comercial de alguma outra empresa, revenda de produtos, consultor ou palestrante, por exemplo.

Mas importante: não faça nada na informalidade. A recomendação é que você tenha uma empresa em seu nome, podendo ser um Microempreendedor Individual (MEI), se seu faturamento for dentro do limite estabelecido por lei (até R$ 81 mil por ano).

51,5% dos empreendedores brasileiros são mulheres

Band Notí­cias

Mais Empreendedorismo