IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Empregos e carreiras


Sonha em ser bombeiro? Veja como é a carreira, que paga até R$ 11,4 mil

Lucas Gabriel Marins

Colaboração para o UOL, em Curitiba

22/08/2019 04h00

Quem acompanhou pela televisão as notícias sobre a tragédia em Brumadinho (MG), que deixou pouco mais de 200 mortos, com certeza viu homens e mulheres se arrastando na lama em busca de vítimas e sobreviventes. Eram os bombeiros.

Treinados para trabalhar em situações emergenciais, como a que ocorreu no município mineiro, esses profissionais estão na lista dos mais queridos do Brasil. Nos Índices de Confiança Social, pesquisas anuais do Ibope Inteligência que monitoram a confiança da população nas instituições, o Corpo de Bombeiros sempre ocupa a liderança. Em São Paulo, os salários vão de R$ 3.116,76 (iniciante) até R$ 11.396,75 (coronel).

O UOL conversou com o tenente do Corpo de Bombeiros de São Paulo André Elias e preparou um passo a passo para quem deseja seguir na profissão.

O que faz um bombeiro?

Atende ocorrências emergenciais, como acidentes de trânsito, incêndios, capotamentos de veículos com vítimas presas em ferragens, afogamentos, deslizamentos de terra, grandes enchentes e ocorrências envolvendo suicídios, entre outros.

Como se tornar um bombeiro?

Para trabalhar como bombeiro, é preciso passar em concurso público. Em São Paulo, por exemplo, o interessado em seguir carreira como soldado ou oficial deve ser aprovado em certame promovido pela Polícia Militar.

Dentro da corporação militar, tanto soldados como oficiais precisam realizar concursos internos para ingressar no Corpo de Bombeiros.

Quais são os requisitos para ser bombeiro?

  • Ser brasileiro
  • Ter idade mínima de 17 e máxima de 30 anos
  • Estatura mínima de 155 cm (para mulheres) e 160 cm (para homens)
  • Não ter tatuagem que faça alusão a ideologia terrorista ou extremista, discriminação ou preconceito, ato libidinoso e ideia ofensiva aos direitos humanos
  • Estar em dia com obrigações eleitorais e militares (no caso de homens)
  • Ter concluído ensino médio ou equivalente
  • Ter boa conduta social, reputação e idoneidade ilibadas
  • Não ter sido responsabilizado por ato contra o patrimônio público e condenado em processo criminal transitado em julgado nos últimos cinco anos antes do concurso
  • Ser habilitado para condução de veículo motorizado entre as categorias "B" e "E" (específico para concurso de soldado)

Quando foi o último concurso para policial militar?

O governo de São Paulo abriu no primeiro semestre deste ano concursos para soldados e alunos-oficiais da Polícia Militar. De acordo com o tenente André Elias, certames para oficiais costumam ocorrer anualmente e, para soldados, conforme a demanda do Estado.

Quando será o próximo concurso?

O governo de São Paulo abriu no segundo semestre deste ano um novo concurso para a contratação de soldados. São 2.700 vagas com salário inicial de R$ 3.164,58. As inscrições podem ser feitas entre os dias 15 de agosto e 25 de setembro. Confira o edital.

Quantas vagas geralmente são ofertadas nos concursos para soldados e oficiais?

Nos últimos concursos em São Paulo, foram ofertadas 190 vagas para alunos-oficiais da PM e 2.700 para soldados da PM.

Como são as provas dos concursos públicos para soldados e oficias da Polícia Militar?

Em ambos os concursos, há provas objetivas e dissertativas, exames de aptidão física, de saúde e psicológicos, avaliação de conduta social e análise de documentos.

Com que frequência ocorrem concursos internos dentro da Polícia Militar de São Paulo para ingressar no Corpo de Bombeiros?

Segundo o tenente André Elias, eles geralmente acontecem todos os anos, mas dependem da necessidade e do orçamento. Em São Paulo, anualmente, são disponibilizadas entre 20 e 30 vagas para oficiais do Corpo de Bombeiros e entre 60 e 80 para soldados.

Como são as provas para os concursos internos para o Corpo de Bombeiros?

Há provas escritas, com questões de matemática, química e física, por exemplo, e testes de aptidão física. Após aprovados, os aspirantes a bombeiro devem fazer um curso de formação específica para atuar na corporação.

Como são os cursos de formação para bombeiro?

O curso de formação para soldado dura cerca de três meses e o de oficial leva pouco mais de um ano, segundo o tenente André Elias. Os aspirantes aprendem sobre o atendimento operacional do Corpo de Bombeiros, que envolve combate a incêndio, resgate, emergência médica, salvamento em altura e salvamento aquático, entre outros.

No caso dos oficiais, há também conteúdos voltados à gestão de equipamentos, suprimentos e pessoal, além de matérias específicas da área de engenharia, como física, cálculo e resistência de materiais.

É preciso ter ensino superior para ser bombeiro?

Não, basta ter o ensino médio ou equivalente. Em São Paulo, o curso de formação para alunos-oficiais da PM, que ocorre na Academia do Barro Branco, no entanto, é um bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública.

Quais os salários de oficiais e soldados do Corpo de Bombeiros?

Como bombeiros em São Paulo são policiais militares, os salários são os mesmos. A remuneração básica para soldados de 2ª classe da PM, segundo o edital do concurso público deste ano, é de R$ 3.164,58. Já o salário inicial a alunos-oficiais, também de acordo com o edital deste ano, é de R$ 3.116,76.

Conforme dados de fevereiro de 2018 da Coordenadoria de Recursos Humanos do Estado de São Paulo, a remuneração inicial de um subtenente da PM, último posto dos praças, é de R$ 4.253,84. Já o de coronel da PM, último posto dos oficiais, é de R$ 11.396,75.

Também existe a função de comandante-geral da PM, escolhido entre os coronéis, cujo salário inicial é de R$ 13.831,61.

Como ocorre a progressão da carreira no Corpo de Bombeiros?

No caso do oficialato, segundo o tenente André Elias, a progressão ocorre por meio do tempo de serviço. No caso dos praças, é preciso fazer concursos e seleções internas.

Fontes: Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo; André Elias, tenente do Corpo de Bombeiros de São Paulo; Fundação Vunesp e Coordenadoria de Recursos Humanos do Estado de São Paulo.

Bombeiros falam que doações não são necessárias

UOL Notícias

Mais Empregos e carreiras