Bolsas

Câmbio

Sem tempo para administrar seu dinheiro? Cinco passos para ser mais rápido

Sophia Camargo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • iStock

Família, trabalho, estudo, casa, trânsito... sua vida é corrida demais e falta tempo para administrar seu dinheiro? Ao não se dedicar a isso, sua vida financeira pode se complicar.

Segundo André Bona, educador financeiro e autor do Blog de Valor, "controlar as finanças pessoais é um fator essencial para manter, poupar e até mesmo aumentar a sua renda".

Bona afirma, porém, que é possível administrar o dinheiro mesmo com pouco tempo disponível. O segredo está na organização. Veja seis dicas do educador:

1) Use aplicativos para anotar gastos

Shutterstock

O primeiro passo é criar o hábito de anotar as receitas e despesas. Durante um mês, anote tudo o que gastou e recebeu. 

Uma maneira de fazer isso rapidamente é baixar aplicativos de controle de finanças pelo celular. Desse modo, assim que uma despesa for feita, já é possível inserir os dados no aplicativo sem precisar ter o trabalho de passar para um caderno e depois baixar em uma planilha. Há vários aplicativos disponíveis no mercado. Veja alguns:

Minhas Economias

Este aplicativo gratuito permite organizar as contas, criar orçamentos, gerenciar contas de diversos bancos, cartões de créditos e investimentos. O próprio usuário insere despesas e receitas, separadas em diversas categorias para melhor controle. É possível também montar planilhas e acessar uma plataforma online sincronizada ao aplicativo. Tem um campo para criação de metas financeiras e um gerenciador de sonhos. Disponível para Android e IOS.

Mobills

Na versão gratuita, este gerenciador financeiro permite o registro ilimitado de despesas e receitas, gerenciamento de contas e sincronização na nuvem e um gerenciador de sonhos. Na versão paga, oferece extrato mensal por categorias, planejamento com metas e orçamentos e alertas de contas a pagar por e-mail. Disponível para Android IOS.

Organizze

Com interface bem simples, esse app permite lançar despesas e receitas, criar demonstrativos dos lançamentos de cada mês e definir metas. Tem um alerta de contas a pagar e a receber e permite acessar os dados tanto do celular quanto pelo site. Oferece ainda dicas de finanças pessoais. Também oferece uma versão paga que faz fotos dos comprovantes e tem suporte preferencial, por exemplo. Disponível para Android e IOS.

Planilhas no computador

Se preferir trabalhar no computador, pode também fazer ou baixar planilhas.

Depois de levantar detalhadamente todos os gastos realizados em um mês, faça uma planilha de rendimentos contendo uma relação de todo dinheiro que você ganha (como salário, gratificações, serviços extras) e também de todas as despesas (como água, luz, aluguel).

Veja aqui o passo a passo para fazer uma planilha no computador.

Se preferir, há planilhas gratuitas disponíveis para download no site da Bolsa, do Idec e na página do Excel.

É possível optar por inserir os dados na planilha um pouco a cada dia ou fazer tudo de uma vez. O importante, segundo Bona, é escolher o jeito que mais funciona para você.

Assim, à medida que os ganhos e os gastos forem acontecendo, anote na planilha. "Desse modo, é possível controlar as finanças demandando pouquíssimo tempo, apenas o necessário para alimentar a sua planilha", afirma. "O importante é criar o hábito de registrar as finanças para saber para onde está indo o dinheiro." 

2) Faça uma análise periódica

Getty Images/iStockphoto

Apenas inserir os dados na planilha não vai fazer com que as finanças fiquem controladas. Segundo Bona, é preciso dedicar um tempo maior para analisar esses dados, verificar ganhos e gastos e onde é possível cortar despesas.

Estabeleça um período para realizar essa avaliação, que pode ser semanal, quinzenal, ou, no máximo, mensal. "Mas não permita que ultrapasse um mês, pois, caso isso ocorra, vai ficar mais difícil conferir todas as movimentações", diz.

Segundo ele, quem está sem dinheiro ou devendo precisa fazer a análise em um tempo mais curto, para que consiga manter os hábitos diários com mais precisão. À medida que corrigir os pontos críticos, pode ir aumentando o prazo de análise.

Quem não está com dívidas atrasadas pode fazer a avaliação mensal sem maiores problemas.

"Cuidado também para não cometer o erro de ficar horas na frente do computador fazendo planilhas de gastos irreais que não condizem com sua realidade e, no decorrer do mês furar todo o planejamento, sentir-se frustrado e parar de acompanhar", diz.

3) Defina metas financeiras

iStock

Quem tem pouco tempo para cuidar das finanças deve criar metas curtas e estabelecer um prazo para cumpri-las, ensina o educador.

As metas, segundo ele, estão relacionadas à mudança dos hábitos financeiros.

Veja alguns exemplos: tomar nota de todos os gastos na semana, ou, ainda, passar uma semana sem fazer aquela compra desnecessária. "Por exemplo, tomar sorvete todos os dias após o almoço. Diminua para uma vez por semana", diz.

Segundo Bona, o objetivo dessas metas é ir incorporando esses hábitos à rotina, não é para fazer uma vez e deixar para lá. "Cuidar das finanças é como fazer exercícios ou dieta: não adianta fazer um dia e depois abandonar, tem de fazer sempre."

4) Cuidado com o cartão de crédito

Thinkstock

Não tenha pressa quando o assunto é cartão de crédito, empréstimos e financiamentos. O educador aconselha que antes de efetuar uma compra a prazo, o consumidor sempre consulte sua planilha de controle diário e verifique se terá dinheiro para realizar o pagamento quando as parcelas começarem a vencer.

"Quando não se tem o controle sobre o que ganha e gasta, facilmente pode-se comprometer a renda mensal de modo a gastar mais do que recebe."

Não se esqueça de inserir as parcelas da compra e data de vencimento na planilha para ter controle de quanto dinheiro vai sobrar a cada mês.

5) Aprenda sobre investimentos

Getty Images/iStockphoto

Por fim, defina um tempo para aprender sobre finanças pessoais. A quantidade de horas ou dias irá depender muito do interesse. Mesmo quem não gosta do assunto deve se esforçar para ter uma orientação básica que permita administrar bem seus investimentos.

Quem gosta mais do assunto pode se aprofundar buscando informações na internet, fazendo cursos gratuitos e pagos. "É possível, por exemplo, dedicar-se intensivamente a um bom curso que explique sobre finanças, sistema financeiro, como funcionam as corretoras e bancos, modalidades de investimento e métodos para usar essas informações e depois ir fazendo apenas atualizações esporádicas", diz.

Se não sabe responder a estas 5 questões, será muito difícil ficar rico

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos