PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Finanças pessoais

Dólar sobe, e Bolsa tem maior queda mensal desde março; veja investimentos

João José Oliveira

do UOL, em São Paulo

30/09/2020 17h58

Resumo da notícia

  • Dívida pública no Brasil e eleições nos EUA criam incertezas para investidores
  • Ambiente afeta investimentos em ações e favorece busca por dólar
  • Profissionais de mercado dizem que volatilidade deve prevalecer neste último trimestre

A Bolsa brasileira teve em setembro a maior queda desde março, em um mês marcado pelo aumento das incertezas com relação às economias doméstica e global. As eleições nos Estados Unidos e a política de gastos do governo no Brasil foram apontados por profissionais de mercado como os fatores que deixaram os investidores com dúvidas sobre a retomada da atividade econômica ainda em 2020.

Nesse ambiente de menor transparência, cresceu a procura pelos ativos considerados mais seguros em momentos de incertezas, como dólar. Já as aplicações de renda variável, como ações, sofreram ajustes para baixo.

O Ibovespa encerrou setembro com queda de 4,8%, primeira retração desde março, cedendo a 94.603 pontos, menor patamar desde 26 de junho. No sentido contrário, o dólar avançou 2,46%, para R$ R$ 5,616, atingindo a maior cotação desde 20 de maio deste ano.

O indicador havia recuado em março, depois subiu por quatro meses seguidos, então recuou em agosto e, agora, em setembro.

Já o ouro, que vinha se aproveitando da volatilidade dos mercados em 2020, perdeu o fôlego. Profissionais de mercado lembram que o metal tem este ano uma valorização acumulada de 66,3% e que tem operado próximo às máximas históricas.

Veja abaixo o desempenho de alguns ativos dos mercados aqui no Brasil.

Fatores que marcaram setembro

Para o chefe de alocação da XP Investimentos, Felipe Dexheimer, o movimento das Bolsas globais em outubro foi uma acomodação natural, após uma alta de 33% em dólares de abril a agosto. Ele cita os fatores que geraram aversão a risco lá fora:

  • Eleição nos Estados Unidos
  • Aumento de casos de coronavírus no hemisfério norte
  • Transição de uma economia suportada por estímulos para uma que cresce organicamente

Já no Brasil, o Ibovespa vinha se comportando bem ao longo do mês, com queda inferior às Bolsas globais, mas isso mudou no dia 28. A intenção do governo de adiar pagamento de precatórios para distribuir renda para uma parcela da população assustou os investidores. As perspectivas de o Brasil crescer e honrar suas dívidas são muito diferentes se tivermos um governo disposto a fazer benesses deixando o custo para o futuro ao invés de reformas.
Felipe Dexheimer, XP Investimentos
.

A queda da Bolsa foi atenuada pelos juros muito baixos, dizem profissionais de mercado. Com a Selic a 2% ao ano, a migração de recursos de pessoas físicas para ações deu algum suporte aos preços dos papéis.

Levantamento da Fliper, plataforma que agrega investimentos do usuário, mostra que as ações representaram 34,33% das todas as alocações na plataforma. Após Bolsa, aparecem renda fixa pós-fixada e os fundos multimercados, com 21,26% e 17,06% das preferências, respectivamente, seguidos por fundos imobiliários (8,32%) e renda fixa indexada à inflação (7,43%), completando as cinco primeiras posições da pesquisa.

"Apesar das incertezas da pandemia, o cenário macroeconômico com taxa de juros no menor patamar histórico propicia maior ousadia dos investidores brasileiros, buscando retornos maiores do que a renda fixa, além de ampliar o investimento em ativos de proteção, como o dólar", disse o sócio-fundador da Fliper, Walter Poladian.

Cenário para último trimestre do ano

Para os últimos três meses do ano, profissionais de mercado ouvidos pelo UOL projetam a manutenção das incertezas em um ambiente que deve favorecer dólar e ouro, em detrimento de ações e renda fixa de curto prazo.

No exterior, o foco principal dos agentes de mercado será nas eleições americanas que vão definir o presidente do país para o período de 2021 a 2024.

O grau de incerteza com o qual entramos em outubro é maior do que aquele que a gente tinha em setembro. O grande risco para o mercado é a eleição americana.
Roberto Attuch, CEO e fundador da casa de análises Omninvest

No palco doméstico brasileiro, as atenções dos profissionais de mercado devem se voltar para a política fiscal, ou seja, como o governo vai encaminhar os gastos federais e a dívida pública.

Estou menos preocupado com a economia do Brasil que com a dívida do governo.
Sergio Zanini, gestor da Galapagos Capital

Zanini dedica especial atenção à rolagem da dívida pública de curto prazo. "O Tesouro tem muita emissão para fazer até o fim do ano para rolar a dívida e isso vai pressionar os juros futuros. Quem puder comprar papéis mais longos, vale a pena aproveitar", afirmou, citando títulos do Tesouro Direto indexados ao IPCA com prazos mais longos.

Errata: o texto foi atualizado
Uma versão anterior deste texto informava incorretamente que em setembro a Bolsa caiu pela primeira vez desde março. Na verdade, a queda foi a maior desde março, mas a Bolsa também caiu em agosto. A informação foi corrigidas.

Finanças pessoais