IPCA
0,1 Out.2019
Topo

É difícil achar disquete para IR em lojas; PCs não usam mais a mídia

Aiana Freitas

Do UOL, em São Paulo

17/04/2012 06h00

Quem não tem acesso à internet e precisa entregar a declaração de Imposto de Renda nas agências da Caixa Econômica Federal ou do Banco do Brasil precisa bater perna para encontrar um disquete à venda.

Mesmo em grandes cidades, como São Paulo, eles estão em extinção. A reportagem procurou pelo produto em seis lojas e galerias da Rua Santa Ifigênia, no centro da cidade, especializadas no comércio de eletrônicos e artigos de informática. Em nenhum delas ele foi encontrado.

A busca também não teve sucesso nas lojas das redes Kalunga e Fnac em Pinheiros, na zona oeste. Os sites dessas empresas na internet também não vendem o produto.

Numa busca por seis papelarias da cidade, apenas duas tinham o produto à venda. Numa delas, no centro (Atlas Papelaria), a caixa de dez unidades era vendida a R$ 25. Em outra, na zona sul (Artesco Comercial e Papelaria), uma última caixa, também com dez unidades, custava R$ 30.

"É um tipo de mídia que praticamente não existe mais. A produção foi descontinuada no mundo todo", diz o diretor da consultoria de informática IT Data, Ivair Rodrigues.

'Disquete está em desuso há mais de dez anos'

O fato de o disquete não ser mais produzido faz com que o preço seja elevado, na comparação com outras mídias. "É difícil de encontrar e, quando se encontra para vender, é caro", diz. Enquanto uma unidade de disquete custa R$ 3 na papelaria, é possível encontrar CDs por R$ 0,60.

Segundo Rodrigues, o disquete também não apresenta, hoje, nenhuma funcionalidade que não esteja presente também em CDs, DVDs ou pendrives. "Está em desuso há mais de dez anos."

Quem tiver um disquete em mãos terá dificuldade, depois, para encontrar um computador que aceite este tipo de mídia. Duas lan houses consultadas, uma na zona sul e outra na zona oeste de São Paulo, não têm mais computadores com entrada para disquete. Os computadores do Telecentro da Praça Benedito Calixto, na zona oeste, um espaço da Prefeitura voltado à inclusão digital, também não possuem o drive.

Economia