Bolsas

Câmbio

Chinelo, biquíni, sapato e camisa "made in Brazil" que são vendidos lá fora

Thâmara Kaoru

Do UOL, em São Paulo

  • Apollofoto/Shuterstock

É comum ver marcas estrangeiras de roupas e calçados aqui no Brasil, mas há também empresas brasileiras desses segmentos tentando garantir espaço no exterior. 

A varejista de moda Renner, por exemplo, abriu sua primeira loja fora do país no início de setembro, em Montevidéu, no Uruguai. A marca de calçados infantis Bibi também começou suas atividades no exterior no mesmo mês, com uma loja em um shopping em Lima, no Peru. Havaianas, Hering, Dudalina e Piccadilly também podem ser encontradas fora do Brasil.

Segundo o consultor do Sebrae-SP Mauricio Golfette de Paula, as empresas que vão para o exterior optam por uma estratégia de diversificação. Assim, elas não dependem apenas do mercado interno, podem ter uma receita em moeda estrangeira e fortalecem suas marcas. Ele afirma que as empresas podem ter uma unidade própria ou abrir uma franquia com o investimento de terceiros. 

Expansão exige planejamento

Abrir uma empresa no exterior exige tanto planejamento quanto começar os negócios aqui. "É preciso colocar a ideia no planejamento da empresa, fazer um balanço de oportunidades e ameaças, e avaliar se é bom investir fora do país. Quando falamos de mercado internacional, é preciso considerar que a cultura local, a logística e a legislação são diferentes."

De Paula afirma que é preciso também saber escolher o melhor momento para a expansão. "Muitas empresas procuram o mercado externo quando não estão bem no interno. Mas o ideal é quando estão bem, como forma de expansão e para passar para outro patamar. Tem que investir e se preparar."

Veja lojas que apostaram no exterior

Divulgação
Divulgação

Bibi

A Bibi, marca de calçados infantis, abriu sua primeira loja fora do país em setembro deste ano, em Lima, no Peru (foto). A marca também exporta para lojas multimarcas de outros 70 países. Segundo Andrea Kohlrausch, diretora de franquias da Bibi, os calçados são todos feitos no Brasil. As fábricas do Rio Grande do Sul e da Bahia produzem juntas cerca de 2,6 milhões de pares por ano. A expectativa é chegar a cinco lojas no Peru até 2019. A marca foi criada por Albino Eloy Schweitzer em 1968, no Rio Grande do Sul, e leva o nome da atriz Bibi Ferreira por causa da admiração do fundador pela artista.
Divulgação
Divulgação

Cia. Marítima

A Cia. Marítima, marca especializada em moda de praia, abriu sua primeira loja fora do Brasil em maio de 2016. O lugar escolhido foi Portugal. Hoje, eles possuem duas lojas no país --uma em Lisboa (foto) e outra na Ilha da Madeira--, além de uma loja virtual na França. A coleção vendida no exterior é a mesma do Brasil e todas as peças são fabricadas aqui. A empresa foi fundada em 1990, em São Paulo.
Divulgação
Divulgação

Dudalina

A Dudalina, marca de camisas de alto padrão fundada em 1957, começou no exterior em 2012 com um showroom em Milão, na Itália. Hoje tem 15 lojas fora do país entre Angola, Bolívia, Cazaquistão, Equador (foto), Itália, Malásia, Panamá, Paraguai e Uruguai. A coleção é a mesma tanto no Brasil quanto nas lojas internacionais. Os produtos são fabricados aqui e exportados para os outros países.
Divulgação
Divulgação

Havaianas

A Havaianas foi criada em 1962, inspirada em uma sandália japonesa conhecida como Zori (solado de palha de arroz e tiras de tecido). Hoje, a marca está em países como Alemanha, Emirados Árabes, Espanha, Estados Unidos (foto), França, Israel, Itália e Portugal, entre outros. Os produtos são fabricados aqui e exportados. Os modelos vendidos no exterior são os mesmos do Brasil, com exceção de coleções feitas por artistas ou estilistas locais. A primeira loja fora do país foi inaugurada em julho de 2010, em Los Angeles, nos Estados Unidos.
Divulgação
Divulgação

Hering

A Hering começou fora do Brasil com uma loja em Assunção, no Paraguai, em 1997. Hoje, a marca possui 19 lojas no exterior, sendo nove no Uruguai (foto), sete no Paraguai e três na Bolívia. A expectativa é inaugurar no Paraguai, em novembro deste ano, a primeira loja Hering Kids, de roupas para o público infantil. As coleções vendidas no exterior são as mesmas daqui e os produtos são fabricados tanto no Brasil quanto no exterior. A Hering foi fundada em 1880 em Blumenau, Santa Catarina.
Divulgação
Divulgação

Melissa

A Melissa, loja de calçados femininos, possui uma unidade em Nova York (foto). Ela havia aberto a primeira loja fora do Brasil em 2012, também em Nova York, mas fechou em 2016 para reabrir neste ano em novo endereço. As peças são as mesmas vendidas aqui, porém, sempre uma coleção atrás. Agora, as lojas brasileiras estão recebendo a coleção verão 2018 e, lá fora, eles estão com a coleção inverno 2017. Os itens são fabricados no Brasil. A marca de calçados de plástico foi criada em 1979 pelos irmãos Alexandre e Pedro Grendene.
Divulgação
Divulgação

Piccadilly

A Piccadilly, marca de calçados femininos, possui lojas na Arábia Saudita, Bahrein, Equador, Estados Unidos, Guatemala (foto), Kuait, Nova Zelândia e Rússia. A marca também exporta para outros países, sendo a Argentina a maior compradora. As coleções oferecidas para os outros países são as mesmas, mas eles adquirem os produtos de acordo com o clima local. A empresa nasceu em 1955, no Rio Grande do Sul, com a produção de 12 pares de calçado por dia. Em 1958, o nome da marca foi registrado, inspirado em Piccadilly Circus, ponto turístico de Londres, na Inglaterra.
Divulgação
Divulgação

Puket

A Puket começou a expansão internacional com uma loja no Panamá, em 2014. Hoje possui 13 unidades no exterior, em países como Bolívia, Emirados Árabes, Qatar (foto), Paraguai e Peru. No plano de expansão, a empresa também espera chegar a Chile, Uruguai e Colômbia. A Puket começou suas atividades em 1988, criada pelos irmãos Adolfo e Cláudio Bobrow. Sua primeira unidade industrial foi para fabricar meias para a empresa da família. Depois, decidiram investir em meias com estampas. A empresa possui também lingeries, pijamas e moda de praia.
Divulgação
Divulgação

Renner

A varejista de moda Renner abriu a primeira loja no exterior em setembro, no centro de Montevidéu, no Uruguai (foto), onde funcionava um cinema. A nova unidade terá roupas e acessórios para mulheres, homens e crianças. As peças vendidas são produzidas por terceiros no Brasil e no exterior. A empresa começou no Rio Grande do Sul em 1912 com o grupo A.J. Renner, mas se tornou Lojas Renner a partir de 1965.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos