PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Veja os riscos de bolhas em Fundos Imobiliários de papel e como evitá-los

Exclusivo para assinantes UOL
Lucas Elmor

Lucas Elmor

Sócio-diretor de Gestão da Hectare Capital, formado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Juiz de Fora e Chartered Financial Analyst pelo CFA Institute, com experiência em estruturação e gestão de investimentos nos setores de logística, agronegócio, energia e imobiliário.

15/03/2021 04h00

Os fundos imobiliários que investem em títulos de crédito imobiliário, os CRIs, também conhecidos como "fundos de papel", tiveram, em sua maioria, um ano de resultados consistentes em 2020, a despeito de todo o caos gerado pela pandemia do novo coronavírus.

Enquanto os fundos de shoppings, hotéis, lajes corporativas, entre outros, amargaram resultados bastante negativos de uma forma geral, devido às restrições de circulação impostas pelos governantes, os fundos de CRI mantiveram a entrega dos resultados esperados. Nos casos em que parte relevante das carteiras de investimentos eram indexadas ao IGP-M, que apresentou só em 2020 um aumento de 23,14%, os dividendos pagos por esses fundos até aumentaram em plena pandemia.

Contudo, esse fato está longe de significar que os fundos de papel são necessariamente sempre melhores, independentemente das condições de mercado.