PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Conheça os investimentos que acompanharam o crescimento do comércio online

Conteúdo exclusivo para assinantes
Juliana Mello

Juliana Mello

Sócia-diretora de Novos Negócios e Distribuição na Fortesec, empresa financeira especializada em investimentos imobiliários

16/08/2021 04h00

Em meados de 2020, a gigante de e-commerce Amazon deu início a um processo incomum: entrou em negociação com a maior operadora de shoppings dos EUA, o Simon Property Group, para converter o espaço de grandes lojas âncoras em centros de distribuição. Em março deste ano, a companhia ganhou aprovação para converter um shopping em Louisiana e outro no Tennessee em centros de distribuição com 350 mil metros quadrados combinados.

O que explica o movimento de transformação de espaços cobiçados nos shoppings em pontos da cadeia de logística de uma companhia de comércio eletrônico? A resposta está na tendência secular de migração das compras de espaços físicos para ambientes online, acelerada pela pandemia da covid-19.

Leia abaixo o artigo completo.

De um lado, lojas físicas até então disputadas por grandes marcas sofreram com a restrição de mobilidade desde o ano passado e observaram forte aumento da vacância. Os dados da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) indicam que a taxa de vacância em shopping centers dobrou no ano passado, enquanto o faturamento caiu 33,2%.

Ao mesmo tempo, a demanda pelo comércio online tem sido tão grande que as empresas precisaram ampliar a sua infraestrutura para atender aos pedidos.

Em grandes movimentos transformacionais como esse, o mercado de capitais surge para auxiliar as empresas para viabilizar os seus planos. Para não gastar um volume elevado de recursos no curto prazo em um ativo imobilizado ao colocar um centro de distribuição de pé e fortalecer a cadeia logística, as companhias recorrem a um financiamento conhecido como "built-to-suit", ou BTS. Trata-se de uma operação de longo prazo, geralmente entre 10 e 20 anos, envolvendo um empreendimento moldado às necessidades da empresa.

A base do "built-to-suit" é um contrato de locação imobiliária. O locatário, ou seja, a empresa interessada no empreendimento, encomenda a construção ou uma grande reforma no seu imóvel para, posteriormente, alugá-lo e usá-lo. O contrato é conhecido como aluguel atípico, pois tem que seguir padrões específicos que garantem a sua longevidade. Nesse caso, o locador deve receber o valor investido no imóvel com obras e reformas através do valor da locação e reaverá o empreendimento após o fim do contrato.

Os benefícios são muitos. O locatário tem acesso a um imóvel que foi pensado para ele, sem se preocupar com obra, sem fazer um desembolso grande de dinheiro em um espaço curto de tempo e sem imobilizar seu capital. O modelo é perfeito para empresas que querem construir centros logísticos, indústrias que precisam de novas fábricas, e até mesmo prédios comerciais feitos para uma só companhia.

Do ponto de vista do investidor e do locador, as vantagens também são notórias, uma vez que estas operações tendem a ter um risco mais óbvio, refletindo notas altas de agências classificadoras de risco, o que chamamos de rating, por serem baseadas no risco de crédito do locatário, geralmente grandes companhias em fase de expansão.

A grande questão é como acessar este tipo de investimento. Isso pode ser feito por meio da compra de Fundos de Investimento Imobiliários (FIIs) que desenvolvem estes ativos, com FIIs que compram Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) ou na compra direta de CRIs emitidos para a construção destes imóveis, por exemplo.

A lógica destes investimentos está no valor do aluguel que será recebido ao longo do tempo (carteira de recebíveis) contra o valor aportado para a construção do mesmo.

Como a migração do comércio físico para o eletrônico deve permanecer forte mesmo depois do fim da pandemia, a demanda por novos centros de distribuição continuará alta, e o mercado de capitais será um dos facilitadores dessa expansão. Por isso, o número de operações deste tipo tende a crescer nos próximos meses e os resultados positivos a aparecer na carteira dos investidores.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL