PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Em quem você confia para te dar conselhos sobre investimentos?

No mercado financeiro, muitas vezes, o mais indicado é delegar a gestão a profissionais - Suwaree Tangbovornpichet/iStock
No mercado financeiro, muitas vezes, o mais indicado é delegar a gestão a profissionais Imagem: Suwaree Tangbovornpichet/iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Juliana Mello

Juliana Mello

Sócia-diretora de Novos Negócios e Distribuição na Fortesec, empresa financeira especializada em investimentos imobiliários.

06/06/2022 04h00

Você provavelmente já se deparou com alguma postagem de um influenciador de finanças nas redes sociais. Seja no Instagram, Twitter, YouTube ou até no Tiktok, esses influenciadores somam milhares de postagens a cada dia. Há os perfis para todos os gostos: dos mais informais aos mais sérios, dos mais nichados aos voltados ao público geral, dos que falam sobre o básico dos investimentos aos que prometem estratégias complexas de como fazer seu dinheiro render mais.

Esse é um universo que só cresce no Brasil. Uma pesquisa da Anbima, divulgada no início deste ano, identificou 277 influenciadores que estiveram ativos em 2021.

Eles foram responsáveis por 406 mil publicações --uma média de 1.237 postagens diárias. Esses 277 influenciadores alcançaram uma base de 91,5 milhões de seguidores em seus perfis. O próprio estudo da Anbima dá a dimensão: "Esse alcance é maior que aquele obtido pelos perfis de veículos de imprensa e de portais da grande mídia especializados no mercado financeiro, que falam com 80,3 milhões de seguidores", diz o documento.

A internet é uma ferramenta maravilhosa. Ela nos deu acesso a uma infinidade de informações. Mas precisamos usá-las da melhor forma, e é necessário tomar alguns cuidados para filtrar essas informações que chegam até nós.

Há conteúdo bom entre essas 1.237 postagens ao dia. Mas separar o joio do trigo não é tarefa fácil. Muitas vezes essas pessoas não são certificadas para emitir recomendações sobre investimentos. A própria Comissão de Valores Mobiliários (CVM) tem monitorado o tema, mas alerta que "suas interpretações sobre a atuação de pessoas nas redes sociais na suposta oferta de serviços profissionais que dependam de registro na CVM".

Um ponto que você sempre deve se questionar é: Quando um influenciador faz uma recomendação de compra ou venda de um produto, ele está ganhando alguma coisa com isso? Há algum conflito de interesses? Aquele influenciador está sendo realmente transparente quanto a esta indicação? Afinal, aquela pessoa pode estar te indicando um movimento de compra ou venda que irá favorecer os interesses dela e não os seus.

Por isso, sempre questione as informações que receber. Aquilo realmente é verdade? Em minha última coluna, falei sobre a importância de saber encontrar as fontes oficiais de informação. Esse é um bom caminho para checar o que você ouve dos influenciadores.

No mercado de capitais, muitas vezes, o mais indicado é delegar a gestão a gestores profissionais, principalmente quando se está investindo em ativos mais complexos e que, por isso, devem entregar um rendimento maior.

Esses papéis que demandam acompanhamento frequente, e as pessoas físicas muitas vezes não têm o tempo ou o conhecimento específico para fazê-lo, estão, geralmente, dentro de fundos de investimento. Saber o histórico de performance deste fundo e das entregas do gestor responsável, é fundamental.

Nunca levem em consideração fofocas ou indicações de compra ou venda conflitadas. Atenham-se aos fatos e às entregas históricas daquela casa, fundo e gestor.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.