PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Como a saída do presidente da Natura pode valorizar as ações da empresa

Conteúdo exclusivo para assinantes
PagBank Investimentos

Espaço onde profissionais da área de Research do Pagbank Investimentos compartilham perspectivas sobre o potencial do mercado financeiro, cenário econômico, tecem comentários sobre o mercado de ações e setores da economia, sempre de maneira leve e sem economês. Aqui, a macroeconomia, tesouro direto, análise fundamentalista e técnica são desmistificadas, trazendo informações para os investidores tomarem suas decisões baseados em conteúdos de qualidade e acessíveis a todos.

15/06/2022 17h32

As ações da Natura (NTCO3) estão nesta quarta-feira (15) entre as maiores altas do índice Ibovespa, após a notícia de que o atual CEO do grupo e presidente-executivo da empresa, Roberto Marques, deixará as funções, com a intenção de se aposentar no final de 2022. Ele, no entanto, permanecerá como conselheiro para auxiliar o processo de transição.

Quem assumirá o cargo é o atual presidente do comitê de pessoas, Fábio Barbosa. A euforia dos investidores se deve ao fato de Barbosa, ex-presidente do Santander Brasil e do Grupo Abril, ter como missão dar mais liberdade às áreas de negócios, em uma reorganização que visa elevar a agilidade das unidades e tentar avançar o crescimento da companhia.

As ações hoje fecharam em alta de 8,08%, cotadas a R$ 15,12. No ano, as ações estão com queda de 38,05%.

Além da mudança na presidência, a empresa ainda enfatiza que outras funções serão reavaliadas na nova estrutura.

Os números da companhia também vêm contribuindo bastante para o mal desempenho de suas ações nesse primeiro trimestre de 2022. Eles vieram bastante negativos, com prejuízo que mais que quadruplicou em relação ao mesmo período em 2021.

Segundo o balanço divulgado em 5 de maio, o prejuízo líquido somou R$ 643,1 milhões no período, valor 314% maior que a perda de R$ 155,2 milhões registrada nos três primeiros meses do ano passado.

A receita líquida e a geração de caixa (Ebitda) da empresa também tiveram quedas, caindo 12,7% e 37,8%, respectivamente.

A forte queda nos números reflete as pressões de custo, inflação e desalavancagem de vendas da Avon na América Latina e na The Body Shop. Segundo a Natura, a reorganização está alinhada à sua estratégia, que é aumentar a responsabilidade de suas empresas e marcas -0Natura, Avon, The Body Shop e Aesop.

Enfatizamos que temos um bom potencial de valorização para as ações, com preço alvo em R$ 30, o que dá um potencial de valorização de 90%, considerando o preço de hoje.

Entretanto, o cenário para o setor de varejo ainda continua bastante negativo, haja vista a continuação da elevação dos juros e a pressão inflacionária, o que acaba prejudicando o poder de compra dos consumidores e, consequentemente, os números das varejistas.

Além da elevação dos juros brasileiros, a companhia também acaba sendo impactada pelas elevações de juros americanos, como podemos observar no dia de hoje, quando o Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA) elevou a taxa em 0,75 ponto percentual, chegando a um intervalo de juros de 1,50% a 1,75%. Lembrando que a Natura tem operações em diversos países incluindo, nos Estados Unidos.

Dessa forma, recomendamos o investimento no ativo para investidores que vislumbrem o longo prazo e que tenham um perfil mais arriscado, já que o cenário ainda está bastante desafiador para as empresas de varejo.